Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alon Feuerwerker Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Alon Feuerwerker
Continua após publicidade

Eleição das comparações

Por enquanto, Lula está levando vantagem sobre Bolsonaro

Por Alon Feuerwerker Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 1 jul 2022, 20h44 - Publicado em 2 jun 2022, 08h00

A dúvida do momento, e deverá ser assim até a eleição, é para onde vai o eleitorado que votava no PT, deslocou-se progressivamente para o outro campo ao longo dos mandatos petistas e há quatro anos acabou apoiando Jair Bolsonaro. Eram tempos de auge da Lava-Jato e da janela de oportunidade para a agenda liberal, que os percalços do terminal governo Michel Temer não tinham chegado a ferir de morte.

É razoável supor que as chances de vitória eleitoral em outubro dependam em boa medida da capacidade de dialogar com essa turma, que por um viés metodológico recebe o rótulo de “centrista”. Mas oscilar entre a esquerda e a direita não faz de alguém um centrista. O “de centro” raiz é quem, no vocabulário da moda (já esteve mais), rejeita “os extremos”. As pesquisas de melhor método mostram essa fatia de mercado girando abaixo de 15%.

Eis uma das dificuldades da chamada terceira via. Se você diz que o grande problema do Brasil na atualidade é o “extremismo de esquerda”, está chamando de bobo o eleitor de Luiz Inácio Lula da Silva. Se diz que é o “de direita”, o alvo da depreciação passa a ser o eleitor de Bolsonaro. E se o discurso é “contra os dois extremismos” você entra na disputa brigando com três quartos do eleitorado. Discorda? Lamento. Os projetos centristas vitoriosos sempre procuraram dialogar respeitosamente com outros campos políticos.

Centrismo excludente é contradição em termos. A propósito, será que o desafio dos dois líderes atuais das sondagens eleitorais está em deslocar-se para o centro? Será que se diluir é a melhor tática para a vitória no cenário específico de agora?

Continua após a publicidade

“Analistas e militantes gostam de discutir as circunstâncias. Eleitor comum quer saber de entregas”

Talvez não. É possível que a eleição deste ano se decida pela percepção do eleitor a respeito de quem vê em melhores condições, pessoais e políticas, para combater os dois principais problemas do momento no Brasil: a inflação e o desemprego.

É onde Lula está, por enquanto, levando vantagem sobre Bolsonaro. No currículo. Na comparação das realizações de cada governo. Detalhe reforçado por uma particularidade: é a primeira vez que o presidente e um ex-presidente concorrem juntos à cadeira do Palácio do Planalto.

Continua após a publicidade

Claro que há as circunstâncias, e elas contam que Lula governou quase todo o tempo em ambiente de bonança, e, quando o clima virou, deu um jeito de fazer o tsunami virar uma marolinha. Provisória, mas marolinha. Já Bolsonaro topou com dois anos de pandemia e uma guerra na Europa, dois fatos destrutivos para a economia global.

Mas quem gosta de discutir as circunstâncias são analistas e militantes. Eleitor comum quer saber é de entregas. Uma diferença, que pode estar ajudando a fazer a diferença no momento atual: na crise de 2008, Lula reagiu rapidamente e assumiu a paternidade incondicional das medidas anticíclicas, enquanto Bolsonaro frequentemente dá a impressão de estar algo desconfortável com esse tipo de medida, sem contar a lentidão para reagir. A guerra na Ucrânia começou faz quatro meses, e as providências para combater a alta nos preços dos combustíveis ainda tentam ganhar tração. E já passou mais da metade do tempo para a eleição.

Publicado em VEJA de 6 de julho de 2022, edição nº 2796

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.