Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Titã tem ingrediente que poderia formar vida, diz Nasa

Astrofísicos encontraram no satélite de Saturno a molécula acrilonitrila, que poderia formar estruturas semelhantes a membranas celulares

Cientistas da Nasa encontraram em Titã, uma das luas de Saturno, uma molécula que poderia compor estruturas semelhantes a membranas celulares – o que, em teoria, seria capaz de levar ao desenvolvimento de formas de vida. A substância, chamada acrilonitrila, usada na Terra para a fabricação de plásticos, poderia formar compostos estáveis e flexíveis, como fazem os lipídios na composição das células vivas dos organismos terrestres.

“A detecção desse químico elusivo e importante para a astrobiologia [área que estuda a origem, evolução e futuro da vida na Terra e fora dela] é emocionante para os cientistas que estão impacientes para determinar se a vida poderia se desenvolver em mundos gelados como Titã”, afirma Martin Cordiner, cientista do Goddard Space Flight Center, da Nasa e um dos autores do estudo sobre a descoberta, publicado na última semana no periódico Science Advances. “O achado adiciona uma peça importante em nossa compreensão da complexidade química do sistema solar.”

Há vida nas luas de Saturno?

Os cientistas detectaram a acrilonitrila por meio de dados colhidos pelo telescópio Atacama Large Milimeter Array (Alma, na sigla em inglês), no Chile. O composto foi encontrado em abundância na atmosfera do satélite e, de acordo com os cientistas, possivelmente ele se precipita sobre a superfície. Pesquisas anteriores já haviam sugerido a possibilidade de que a substância estivesse presente na atmosfera de Titã, mas essa foi a primeira pesquisa a verificar os “vestígios químicos” da acrilonitrila. Segundo os cientistas, o composto, presente nas “chuvas”, estaria a uma concentração tal que permitiria a produção de 10 milhões de membranas celulares em cada mililitro dos lagos de metano e etano de Titã – é bastante.

A existência doa molécula é importante porque, em 2015, cientistas da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, haviam se perguntado se os hidrocarbonetos metano e etano poderiam formar estruturas semelhantes a membranas celulares de lipídios (essas membranas são essenciais às células, pois separam o material orgânico do exterior), mesmo no ambiente gelado da lua de Saturno, com temperaturas que chegam aos 180°C negativos. Os pesquisadores identificaram que o melhor candidato para produzir esse composto seria a acrilonitrila.

“A habilidade de formar uma membrana estável para separar o ambiente interno do externo é importante porque ela mantém os químicos no interior tempo suficiente para que interajam entre si”, afirmou o cientista Michael Mumma, também autor do estudo, em comunicado. “Se estruturas semelhantes a membranas puderem ser formadas por acrilonitrila, seria um passo importante no caminho para a vida na lua de Saturno.”

Confira o vídeo (em inglês) feito pela Nasa para divulgar a descoberta:

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Vinícius de Paiva

    Pois é… tem tudo pra criar, mas não cria.

    Curtir