Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sonda chinesa retorna da Lua com primeiras amostras do lado oculto

Regolitos devem ajudar na melhor compreensão da formação do satélite natural e do sistema solar

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 25 jun 2024, 14h27 - Publicado em 25 jun 2024, 13h56

Em 3 de maio, a sonda Chang’e-6 decolou da China rumo à Lua para uma missão ousada: trazer amostras do lado oculto do satélite. O desafio era grande, mas, após uma sequência de sucessos nessa missão, a Administração Espacial Nacional da China (CNSA) a concluiu, nesta quarta-feira, 26, com o afortunado pouso do retornador no deserto da Mongólia.

As capsula agora será levada para Pequim, onde será aberta. As amostras então serão separadas e avaliadas pelos cientistas. “Isto marca o sucesso completo da missão e é, sobretudo, o primeiro retorno à Terra de amostras do lado oculto da Lua”, afirmou a CNSA, em comunicado.

Officials load the landing module of the Changíe-6 moon probe onto a truck after it landed in Inner Mongolia, in northern China on June 25, 2024. A Chinese probe carrying samples from the far side of the Moon returned to Earth on June 25, capping a technically complex 53-day mission heralded as a world first. (Photo by AFP) / China OUT
Officials load the landing module of the Changíe-6 moon probe onto a truck after it landed in Inner Mongolia, in northern China on June 25, 2024. A Chinese probe carrying samples from the far side of the Moon returned to Earth on June 25, capping a technically complex 53-day mission heralded as a world first. (Photo by AFP) / China OUT (./AFP)

Qual a importância desse retorno?

As expectativas para o estudo dessas amostras são altas. Embora regolitos lunares já tenham retornado antes, o solo da região mais distante da Lua parece ser mais antigo, com mais crateras e menos solos recentes moldados por erupções. O estudo de amostras dessa região deve ajudar a elucidar o porquê dessa diferença, assim como melhorar a compreensão da formação do satélite e do sistema solar.

Em 2020, a missão Chang’e-5 trouxe regolitos do lado mais próximo e permitiu que eles fossem estudados por um consórcio internacional de pesquisadores. Dessa vez, há uma imensa expectativa de que a cooperação com países não envolvidos na missão se repita, em benefício da ciência. “Esperamos sinceramente que tenhamos a oportunidade de repetir este trabalho nas amostras da Chang’e-6 nos próximos meses”, disse ao britânico The Guardian o pesquisador da Universidade de Manchester, Romain Tartèse

Continua após a publicidade

Como foi a missão?

O lançamento da Chang’e-6 ocorreu no dia 3 de maio. Após um mês de viagem, o pousador alunissou com sucesso na Bacia de Aitken, no Polo Sul do lado escuro do satélite, por meio de um sistema automatizado de pouso, para repetir o difícil feito de pousar no lado mais distante da Terra, como já havia sido feito pela Chang’e-4, em 2018. 

Como essa região é muito mais acidentada, um sistema visual automático de detecção de obstáculos foi acionado para auxiliar a descida. A 100 metros de altura, esse programa foi reforçado por um scanner 3D que ajudou a definir o local final de pouco. Depois disso, a sonda desceu verticalmente e a alunissagem suave foi auxiliada por um sistema de amortecimento. 

Ao longo de 14 horas, utilizando um braço robótico e uma broca mecânica, a sonda coletou cerca de dois quilos de material para trazer de volta à Terra. Após a coleta, a bandeira chinesa foi hasteada neste lado da Lua pela primeira vez. No dia 4 de maio o ascensor contendo as amostras decolou e se acoplou a um satélite artificial, que então iniciou seu retorno à Terra. 

Em que contexto ocorre essa missão?

Essa missão é um marco para o programa espacial chinês e ocorre em meio a um acirramento da corrida espacial. Tanto os chineses quanto os americanos planejam levar tripulações e iniciar a construção de bases permanentes no satélite ainda nesta década, o que deve garantir um protagonismo nas missões espaciais. 

Continua após a publicidade

Em entrevista a VEJA, em 10 de Maio, o astrônomo da Academia Chinesa de Ciências, Jianzhong Liu, falou sobre os feitos do país. “A exploração lunar da China alcançou várias lideranças, incluindo o primeiro pouso suave no lado oculto da Lua e o primeiro retorno da amostra de basalto jovem. O atlas lunar também é atualmente o mais preciso. Portanto, a exploração lunar da China está em um nível de liderança mundial em certos campos”, disse. “O país, no entanto, ainda não alcançou o pouso lunar tripulado, e o número de variedades de amostras retornadas não são tão abundantes quanto ao dos Estados Unidos.”

CHANG’E-6 - China: pouso bem sucedido
CHANG’E-6 – China: pouso bem sucedido (CNSA/Divulgação)

Enquanto essa disputa ocorre, outros participantes também buscam um lugar na ciência espacial. Em 2023, a Índia se tornou o quarto país a conseguir realizar um pouso controlado no satélite e, no começo de 2024, o Japão também entrou para essa lista. Além deles, uma missão comercial conseguiu o feito pela primeira vez, inaugurando a participação de empresas privadas nesse disputadíssimo ra

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.