Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que o Equador explora petróleo na Amazônia

Nesta semana, o país começou a perfurar o terceiro campo do chamado Bloco ITT, localizado parcialmente dentro de uma área protegida da floresta

Por André Sollitto Atualizado em 14 abr 2022, 12h07 - Publicado em 14 abr 2022, 11h58

Em meio à pressão de povos indígenas e de ambientalistas, o governo do Equador anunciou nesta semana o início do processo de extração de petróleo no campo de Ishpingo. Junto com outros dois campos próximos, Tiputini e Tambococha, localizados parcialmente dentro de uma área protegida da floresta amazônica, ele forma o chamado Bloco ITT, onde estão mais de 40% das reservas brutas de petróleo do país.

Em Ishpingo, serão extraídos 3,6 mil barris por dia – de um total de mais de um bilhão que estão oficialmente localizados dentro do Bloco ITT. As reservas totais reconhecidas do Equador superam 4 bilhões de barris. A previsão é que mais 36 poços sejam perfurados na região, por meio da empresa chinesa CNPC Chuanqing Limited, especializada em engenharia de perfuração.

A extração nos outros dois campos começou em 2016, após anos de debate contra a exploração das reservas do Parque Nacional de Yasuni. Na época, o então presidente Rafael Correa tentou fazer com que a comunidade internacional pagasse ao Equador US$ 3,6 bilhões para não explorar o bloco ITT, uma tentativa de compensação financeira para não perfurar a região amazônica. Mas o fracasso da estratégia fez com que ele pedisse ao Congresso a autorização para começar o processo de exploração.

Agora, o atual governo de Guillermo Lasso quer dobrar a produção, que afirma que se a extração de petróleo mantiver o patamar atual, serão gerados US$ 60 milhões anuais, que “seriam investidos no sistema de educação, saúde e segurança”, segundo o presidente equatoriano. Em 2021, o país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) extraiu mais de meio milhão de barris por dia, a maioria pela estatal Petroecuador.

A decisão, no entanto, é muito criticada por ambientalistas. O Parque Nacional Yasuni está localizado a 250 quilômetros de Quito e foi eleito pela Unesco uma das Reservaas da Biosfera do planeta em 1989. É uma das regiões mais biodiversas do planeta por conta de sua localização única, abrangendo a linha do Equador, a cordilheira dos Andes e a floresta amazônica. Apenas em um hectare foram identificados mais de 100 mil espécies de diferentes de insetos – a mesma quantidade encontrada em toda a América do Norte. Além disso, abriga duas das últimas populações indígenas isoladas do mundo, os Tagaeri e os Taromenane. A exploração de petróleo na região pode prejudicar todo o rico ecossistema.

E, de fato, incidentes já foram registrados. Em janeiro deste ano, um oleoduto da empresa privada Oleoductos de Crudos Pesados (OCP) rompeu e derramou petróleo no Rio Pedra Fina, na região de San Luis, na amazônia equatoriana. A empresa afirma que o vazamento foi contido e que trabalhou para impedir que a contaminação chegasse às fontes de água.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)