Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Manto tupinambá do século XVII chega ao Brasil em sigilo

Peça foi doada pelo Museu Nacional da Dinamarca e ficará em exposição no Museu Nacional

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 11 jul 2024, 12h51 - Publicado em 11 jul 2024, 10h22

O manto tupinambá chegou ao Brasil. A peça do século XVII, que estava há mais de três séculos em um museu da Dinamarca, desembarcou em solo brasileiro sob sigilo há algumas semanas. A expectativa é que ele seja uma das principais peças do acervo do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, cujo prédio foi destruído por um incêndio em 2018.

A direção do museu confirmou as informações por meio de comunicado. “Nas próximas semanas, em data ainda a ser confirmada, após a adoção de todos os procedimentos necessários para a perfeita conservação dessa peça tão importante, e sagrada para nossos povos originários, apresentaremos o manto a sociedade”, disseram.

De acordo com informações vazadas antes do anuncio, o manto está submetido a um tratamento de anóxia, processo que o coloca em um ambiente de pouco oxigênio, com o objetivo de eliminar possíveis contaminações. A informação foi recebido com protesto por representantes indígenas, que não tiveram contato com a peça ao chegar ao Brasil. De acordo com eles, o artefato considerado sagrado deveria passar por rituais religiosos o mais rapidamente possível.

A doação foi anunciada no ano passado, depois de cerca de um ano de negociações. Com 1,80m de altura e milhares de penas vermelhas de pássaros guará, o manto tupinambá é uma peça imponente. Em Copenhague desde 1689, mas de origem que data, provavelmente, de quase um século antes, o manto estava guardado, ao lado de quatro outros, no Museu Nacional da Dinamarca.

Continua após a publicidade
DESDE 1689 - Manto tupinambá: a peça voltará, enfim, para o território nacional
DESDE 1689 – Manto tupinambá: a peça voltará, enfim, para o território nacional (Museu Real de Arte e História da Bélgica/Divulgação)

Além do valor estético e histórico para o Brasil, a doação da peça representa o resgate de uma memória importante para o povo tupinambá. Os indígenas consideram o manto um material vivo, capaz de conectá-los diretamente com os ancestrais e as práticas culturais do passado.

Cooperação entre museus

Além da equipe do Museu Nacional e da embaixada do Brasil na Dinamarca, representantes dos tupinambás tiveram papel fundamental no retorno do manto. A previsão é que eles continuem participando ativamente da curadoria da peça e ajudando a pensar as melhores formas de exposição para o público. Estudiosos indígenas já vêm contribuindo para ampliar o conhecimento que se tem sobre esse tipo de vestimenta.

Continua após a publicidade

O Museu da Dinamarca e o do Brasil também negociam acordos de cooperação em iniciativas educacionais. Um dos projetos já previstos é a digitalização da coleção brasileira que está na instituição europeia. Quanto ao acervo físico, o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, diz que há um empenho para a instituição receba novas peças de valor histórico.

Segundo ele, o incêndio que destruiu o museu, em 2018, arranhou a imagem do país. Kellner entende que o Brasil tem a oportunidade de mostrar que aprendeu com a tragédia e merece repatriar outras peças. “E um dos pontos importantes é oferecer melhores normas de segurança para os visitantes e para o nosso patrimônio”.

(Com Agência Nacional)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.