Group 21 Copy 4 Created with Sketch.
Ao vivoAmarelas ao Vivo entrevista Alvaro Dias, do Podemos

Evento de VEJA já ouviu os presidenciáveis João Amoêdo (Novo) e Geraldo Alckmin (PSDB). Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) também serão sabatinados

Asteroide de 5 km passará ‘raspando’ pela Terra em dezembro

A enorme rocha deve chegar a 10 milhões de quilômetros do nosso planeta no próximo dia 16, sem oferecer riscos

Um gigantesco asteroide se aproximará do nosso planeta em 16 de dezembro. A rocha, conhecida como 3200 Phaethon (ou Faetonte, em português), tem cinco quilômetros de extensão e passará a uma distância de 10 milhões de quilômetros da Terra. Pode parecer muito – e é, tanto que cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, que costuma monitorar todos os objetos que se aproximam do nosso planeta, garantem que ele não vai chegar nem perto de colidir conosco ou oferecer qualquer risco. Mas, em termos cósmicos, isso é quase um “raspão”. O valor é “apenas” 26 vezes a distância entre a Terra e a Lua.

Os cientistas acreditam que a passagem de Faetonte será uma grande oportunidade para monitorar o asteroide e tirar algumas fotos a partir de radares localizados em Arecibo, em Porto Rico, e Goldstone, no estado americano da Califórnia. “As imagens devem ser excelentes para obter um modelo 3D detalhado”, afirma a agência espacial americana em comunicado.

Acredita-se que Faetonte seja o objeto cósmico que deu origem à chuva de meteoros Geminídeos, que normalmente ocorre todos os anos entre 13 e 14 de dezembro, por causa da similaridade entre a órbita do asteroide e a dos meteoros. Ainda assim, a maioria dos eventos celestes desse tipo é provocada por cometas (rochas espaciais com estilhaços de gelo, que provocam o efeito de “cauda luminosa” no céu), e este não parece ser o caso de Faetonte.

A dúvida, então, é se a rocha poderia ser um núcleo inativo de cometa, que pode se comportar como um cometa comum quando se aproxima do Sol. Os cientistas esperam esclarecer esta questão ao analisar a passagem do objeto celeste nas próximas semanas. Por enquanto, Faetonte é classificado como um asteroide.

A rocha foi descoberta em 1983. Seu nome faz referência a Faeton, filho do deus Hélio (que representava o Sol) na mitologia grega. Segundo a lenda, Hélio atravessava o céu em uma carruagem guiada por quatro cavalos. Um dia, Faeton decidiu passear com a carruagem sem a autorização do pai e acabou perdendo o controle dos animais, quase colocando fogo na Terra. Para evitar isso, Hélio destrói o veículo com um raio e acaba matando o filho.

Órbita

A passagem de Faetonte em 2017 é a mais próxima do nosso planeta desde 1874 e continuará com esse título até 2093, quando a rocha deve chegar a 1,9 milhões de quilômetros da Terra (ainda sem oferecer riscos).

O asteroide também vai passar por outros planetas do sistema solar, como Vênus e Mercúrio. Ele é classificado como um “Asteroide Potencialmente Perigoso” pelo Minor Planet Center, por causa de seu tamanho. Mas, para a Nasa, é pouco provável que ele venha colidir com a Terra até o fim deste século.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Os completamente loucos terra-planistas, que acreditam que o mundo é uma pizza com borda de gelo (sim, essa borda não deixa que o oceano flua para o vazio), rodeada por um domo, com a lua e o sol dentro deste domo (alguns até dizem que viram nuvens atrás da lua e do sol), certamente dirão que isso é mais uma fraude da NASA. A fraude que quer promover o satanismo e negar a criação do senhor deus, tal como está na bíblia (a qual, segundo estes malucos, diz que a terra é plana). Bota maluco no pedaço!!!

    Curtir