Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vereadora colega de Marielle recebeu ameaça de morte por telefone

Sede do PSOL em Niteroi recebeu diversas ligações anônimas alertando para uma bomba que seria destinada a Talíria Petrone

A vereadora Talíria Petrone (PSOL), de Niterói, no Rio de Janeiro, havia recebido ameaças de morte quatro meses antes de sua colega de bancada, Marielle Franco, ser assassinada a tiros na noite desta quarta-feira. A sede do partido recebeu diversas ligações de um homem anônimo ofendendo a vereadora e ameaçando explodir uma bomba no espaço de reuniões.

O homem utilizou duas linhas de telefone diferentes para fazer a ameaça. Em nota publicada na época dos acontecimentos, o PSOL afirmou que esta não é a primeira ameaça recebida pelo partido em Niterói. No início deste ano, a sede já havia “sido pichada com dizeres ameaçadores e invadida por um homem armado e com discurso intimidatório”.

Por meio de sua assessoria, Talíria afirmou que entende o ataque à colega como “um atentado aos direitos humanos e à democracia”, além de considerar que não foi por acaso que Marielle, uma mulher negra que veio da favela e conquistou voz em discussão sobre segurança pública no Rio de Janeiro, foi escolhida como alvo para o ataque. Ainda assim, disse que é cedo para apontar os responsáveis pelo crime.

Talíria, que era colega de Marielle, é a única vereadora mulher em Niterói. Ela tinha uma atuação muito próxima à de Marielle e, frequentemente, denuncia casos de violência praticados por policiais. Também defende os movimentos feminista, negro e popular.

A assessoria afirmou que as ameaças foram dirigidas a Talíria justamente por causa de sua atuação, que vai contra os interesses dos “setores reacionários da extrema direita”.

Dias antes de ser assassinada, Marielle havia feito uma denúncia contra o assassinato de dois jovens na favela de Acari. A polícia trabalha com a suspeita de que ela tenha sido executada.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Artur Britto

    Falta pouco para esses esquerdistas falarem que foi o Bolsonaroh que mandou matar essa defensora de bandidos.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Onde ela encontrou extrema direita em Niterói? Deve denunciar pois ninguém conhece.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Quem ela denunciou? Pelo jeito deve ser uma denúncia genérica contra a polícia militar em geral já que ela não é testemunha.

    Curtir

  4. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    PSOL, pode pesquisar na rede, defende a liberação das drogas e a anistia a traficantes e agora o partido diz que está sendo ameaçado por bandidos. Hipocrisia!

    Curtir

  5. Elielson S. Azevedo

    O que pensar de um partido político que defende bandidos, a legalização das drogas, a legalização do tráfico, o ódio àqueles que não compactuam com suas ideologias ultrapassadas e prega o fim da polícia militar?

    Curtir

  6. Fernando Mello

    As pessoas precisam se conscientizar das regras e riscos do jogo antes de entrar.

    Curtir

  7. Fernando Mello

    Palpite: o alvo era esta e não aquela…

    Curtir

  8. Fernando Mello

    Ambas estavam no evento antes do ocorrido…

    Curtir

  9. Fernando Mello

    Vão ter que investigar lá também.

    Curtir

  10. marruth muniz

    E quanto aos traficantes e assassinos que matam criancas fazem arrastoes sequestros roubo de cargas alguma vez ela denunciou? Ou por serem negros e favelados tem licenca para matar?

    Curtir