Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Vereador terá de marcar presença com digital ou íris

Por Da Redação
5 jul 2012, 10h43

Por AE

São Paulo – Depois da denúncia do jornal O Estado de S.Paulo, a Câmara Municipal de São Paulo vai mudar todo o sistema de marcação de presença dos vereadores. As senhas serão substituídas por identificação biométrica – parlamentares serão reconhecidos apenas pela digital ou íris.

O polêmico terminal de presença ao lado do elevador será retirado e o prazo de quatro horas para registrar o comparecimento – mesmo após o término da sessão – também será abolido. “É um mecanismo simples e um avanço consistente”, anunciou Police Neto, na reunião com a Mesa Diretora.

O presidente da Casa avaliou que as mudanças são a única forma de evitar que o trabalho dos vereadores no segundo semestre, perto das eleições, volte a ser questionado. Na mesma reunião, o vice-presidente da Mesa, vereador Claudinho (PSDB), propôs que os parlamentares passem a “bater ponto” para mostrar que estão na Casa, mesmo não estando em plenário.

A marcação de presença na entrada da Câmara também seria feita por identificação biométrica. “É muito pequeno avaliar o trabalho do vereador apenas pela presença nas sessões. Eu, por exemplo, estou trabalhando agora e não estou em plenário”, disse Claudinho.

Continua após a publicidade

O vereador Carlos Apolinário (DEM) também defende a aprovação de um projeto de sua autoria que corta o ponto do vereador que deixar o plenário após registrar presença. Outros líderes da bancada governista apoiam as medidas anunciadas pela presidência como forma de afastar qualquer crise do Legislativo. Dos 55 parlamentares paulistanos, 53 vão tentar a reeleição em outubro.

Ressalva

Ítalo Cardoso (PT), primeiro-secretário da Mesa Diretora, é contra as mudanças e pediu a suspensão da decisão anunciada pela presidência até terça-feira, quando haverá nova reunião.

O petista argumenta que precisam ser ouvidos todos os líderes de bancada antes de qualquer medida a ser tomada. “Pela própria transparência e ética dos atos, precisamos ouvir a opinião de todas as bancadas. Não são mudanças pequenas, estamos falando em normas que vão mudar a vida legislativa da Casa”, argumentou. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.