Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Alvo da Lava Jato, Vaccarezza faz exame de corpo delito no IML

Vaccarezza foi preso ontem na 44ª fase da Operação suspeito de receber 500.000 dólares de propina em um contrato da Petrobras

Por Da redação Atualizado em 19 ago 2017, 14h23 - Publicado em 19 ago 2017, 14h22

O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza fez exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba na manhã deste sábado. Depois de passar pelo procedimento protocolar nos casos de detenção, ele voltou para a carceragem da Polícia Federal. Vaccarezza foi preso ontem como o principal alvo da Operação Abate, 44ª fase da Lava Jato. Segundo as investigações, ele é suspeito de ter embolsado 500.000 dólares de propina oriunda de uma parceria da Petrobras com a empresa americana Sargent Marine.

O mandado de prisão temporária prevê que ele fique preso até cinco dias. O operador financeiro Henry Hoyer de Carvalho e o ex-gerente da Petrobras Márcio Albuquerque Aché Cordeir também passaram por exames neste sábado — eles foram presos ontem durante a deflagração da Abate.

Segundo as apurações da procuradoria de Curitiba, a influência de Vaccarezza na Petrobras levou-a a celebrar doze contratos, entre 2010 e 2013, com a Sargeant Marine no valor de aproximadamente 180 milhões de dólares. “As evidências indicam ainda que sua atuação ocorreu no contexto do esquema político-partidário que drenou a Petrobras, agindo em nome do Partido dos Trabalhadores (PT)”, disse o Ministério Público Federal, em comunicado.

A empresa americana fornecia material de asfalto para a estatal e foi citada na delação do ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa.

Durante as ações de busca e apreensão, autorizadas pelo juiz Sergio Moro ontem, a Polícia Federal apreendeu na casa de Vaccarezza 122.000 reais em espécie, amarrados em bolos de notas de 100 e 50 reais. Conforme a PF, ele não conseguiu explicar no momento a origem dos recursos.

Após exercer dois mandatos consecutivos pelo PT, Vaccareza conseguir se reeleger em 2014. Depois, se desfiliou do partido em 2016 e passou a declarar apoio ao presidente Michel Temer (PMDB).

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)