Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Traficantes vendem drogas dentro de mercado no centro de São Paulo

Na República, um Carrefour Express funciona como ponto de tráfico e, numa rotina de colaboração, ajuda criminosos até com a troca de notas de baixo valor

“Aproveita que está levando a cervejinha e já leva uma coca”, escutou um cliente do mercado Carrefour Express ao dar o primeiro passo fora da loja, na avenida Vieira de Carvalho, próximo à praça da República, no centro de São Paulo. O homem ignorou a oferta e seguiu levando suas sacolas de compras. A fala que ouviu não veio de um dos atendentes do Carrefour, tampouco fazia referência à marca de refrigerante. Quem a havia dito era um dos traficantes de cocaína que utiliza o mercado como ponto de venda de drogas.

A reportagem de VEJA observou a rotina da atividade criminosa que ocorre naquela unidade durante três dias, em diferentes horários. No período presenciado, ficou explícita a harmonia da operação que junta os dois negócios. O mercado funciona 24 horas por dia, mas os traficantes só aparecem próximo das 19 horas, quando trabalhadores da região, com o fim do expediente, aproveitam o caminho até o metrô próximo dali para fazerem compras. Ao menos dois homens ficam na porta da unidade oferecendo maconha e cocaína aos que passam. Um deles fala com as pessoas que entram na loja e, outro, com os que continuam a caminhada pela calçada.

Além de se aproveitar da clientela do Carrefour, quando existe o aceite da oferta de droga, o traficante entra na unidade com o usuário e, entre os corredores de produtos, finaliza a venda sem muita discrição e em poucos segundos. Por volta das 21 horas, quando um número considerável de papelotes já havia sido vendido, VEJA observou um dos traficantes, com um maço de notas de dois e cinco reais, fazendo a troca dos valores com um dos caixas do mercado. Em outro momento, um dos operadores de caixa, ao notar que não possuía troco, sinalizou para o criminoso e foi prontamente atendido com notas de menor valor.

Um garçom que pediu para não ter o nome revelado, mas que trabalha no bar ao lado dessa unidade do Carrefour Express, contou para a reportagem que a expansão do tráfico naquela região é recente, mas não soube precisar há quanto tempo começou. “Foi surgindo aos poucos. Era comum ver os traficantes na praça da República, mas ali o policiamento aumentou e eles foram dominando a quadra aqui na avenida”, contou ele. Nas ruas Aurora e Joaquim Gustavo, que circulam o ponto onde fica o mercado, a reportagem contou três pichações com os dizeres “aqui é do PCC”, em sinalização de que a área estaria sitiada pela facção criminosa.

Os dados da Polícia Militar de São Paulo mostram que na região foram registradas, desde o início do ano, 45 prisões por tráfico de drogas. O Carrefour foi consultado por VEJA, mas até a publicação desta nota não havia se manifestado sobre a prática de crime dentro de uma de suas unidades.

Atualização, 24/09/2019, 18h17 — Em nota, o Carrefour afirmou que não tem registro de denúncias envolvendo casos como os noticiados por VEJA. Diante do relato, a empresa disse que iniciará uma apuração e tomará as medidas cabíveis caso sejam necessárias. “A rede reitera que repudia todo e qualquer ato ilícito e que já providenciou o reforço de sua equipe de segurança no local, visando a garantir a proteção de todos os clientes e colaboradores”.