Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Temer prometeu ingerência no Supremo e BNDES, diz delator

Na mais alta corte do país, presidente disse que poderia acionar dois ministros para socorrer Eduardo Cunha. No BNDES, ele intercedeu em favor da JBS

Por Laryssa Borges - Atualizado em 19 maio 2017, 15h12 - Publicado em 19 maio 2017, 14h32

O empresário Joesley Batista, delator da Operação Lava Jato, disse em depoimento ao Ministério Público ter ouvido do presidente Michel Temer uma promessa de interferir junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em favor de interesses da empresa.

As revelações fazem parte do conjunto de documentos que embasam o pedido de abertura de inquérito feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Temer.

No primeiro caso, o presidente afirmou, conforme a versão do delator, que poderia ajudar o ex-deputado Eduardo Cunha com dois ministros da Suprema Corte – Joesley havia chamado para si a missão de manter o ex-deputado calado e distante da ideia de fazer um acordo de delação premiada.

Cunha está preso desde o ano passado em Curitiba por ordem do juiz federal Sergio Moro e já foi condenado a mais de quinze anos de prisão. No relato feito por Batista, Temer disse que interceder junto aos onze ministros que integram o Supremo “seria complicado”, mas que poderia falar com dois deles.

Publicidade

Também segundo Joesley Batista, Temer intercedeu pessoalmente junto ao BNDES em favor da JBS, mas a presidente do banco de fomento, Maria Silvia Bastos, não levou a conversa adiante. Foi “infrutífero”, registra o MP na ação cautelar que embasou o inquérito contra o presidente.

Publicidade