Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suzane von Richthofen deixa prisão por 5 dias

Nesse tempo defesa tenta derrubar necessidade de um teste psicológico, único empecilho para sua liberdade definitiva

Condenada a 39 anos de cadeia por participar da morte dos pais, em 2003, Suzane von Richthofen deixou a penitenciária de Tremembé na manhã de hoje para passar cinco dias ao lado do noivo, Rogério Olberg.

Ela já cumpriu um sexto da pena e é considerada uma presa com bom comportamento. Por isso, tem direito de progredir para o regime aberto. Ou seja, Suzane poderia ficar livre desde já. Apesar do seu alvará de soltura definitivo estar neste momento sobre a mesa, esperando a assinatura da juíza da 1ª Vara de Execuções Penais de Taubaté, Wania Regina Gonçalves da Cunha, o promotor que acompanha a execução da pena de Suzane, Paulo de Palma, quer que ela seja submetida ao teste de Rorschach antes de ir para casa definitivamente. O resultado deverá revelar traços marcantes da personalidade de Suzane e responder principalmente à seguinte pergunta: ela seria capaz de cometer novamente um assassinato?

Como Suzane já foi submetida ao Rorschach há quatro anos, a juíza Wania Regina dispensou o novo teste, mas o Ministério Público recorreu a instâncias superiores para que a Justiça não dê alforria à criminosa sem a aplicação do exame, conhecido também como teste do borrão. O impasse continua. Se Suzane ganhar essa batalha nos próximos cinco dias, ela pode não voltar para a cadeia. Em 2014, segundo documentos anexados ao processo de execução penal da detenta, o teste do borrão  atestou que ela é dotada de “egocentrismo elevado” e “agressividade camuflada”, além de ser “manipuladora, insidiosa e narcisista”.

Suzane saiu da cadeia com as unhas pintadas de vermelho e animada, sob uma garoa fina. Ao se deparar com jornalistas, fechou a cara. Ruiva e magra, vestia blusa verde-bebê e calça jeans, ressaltando as formas do quadril. Seu noivo chegou às 6 da manhã e ficou sob a chuva à espera até 8h50. Não se beijaram, mas se deram às mãos e partiram em carro popular de Tremembé até Angatuba, a 362 quilômetros do presídio. No veículo, apesar de estar sozinha com namorado, Suzane seguiu no banco de trás, protegida dos fotógrafos pela película escura dos vidros. Em Angatuba, o casal costuma passear de mãos dadas pela praça central, tomar sorvete, namorar e frequentar cultos evangélicos das igrejas da cidade, que é pacata e tem 20.000 habitantes.

O crime

Suzane tinha 19 anos quando planejou e participou do assassinato de seus pais, Manfred e Marísia von Richthofen. Hoje tem 34. Pelo crime, foi condenada junto com o ex-namorado, Daniel Cravinhos, e com irmão dele, Cristian Cravinhos, que executaram o casal von Richthofen a pauladas na calada da noite, enquanto dormiam. Prestes a ganhar liberdade definitiva, ela vai trabalhar na Fábrica Recruta, uma confecção tradicional de Angatuba pertencente ao empresário Daniel Carneiro da Silva, que sonha em ser vereador na cidade. Mas Suzane planeja ter a própria confecção. O maquinário ela já ganhou do apresentador Gugu Liberato, mas a ex-esposa, Sandra Ruiz, o Sandrão, confiscou as máquinas porque não aceitou a separação, ocorrida há dois anos. Entraram num acordo: vão vender  o presente e dividir o dinheiro.

VEJA conversou com colegas de cela de Suzane e agentes carcerárias do presídio onde ela cumpre pena. “Ela está recuperada. Não sei porque a imprensa a persegue”, diz Maria das Dores, presa por tráfico. “Ela é uma santa. Meiga e atenciosa, dá conselhos amorosos e ensina inglês para as amigas”, testemunha uma agente carcerária sob a condição do anonimato. Paulo José da Palma, o promotor responsável pelo acompanhamento da pena de Suzane, por exemplo, afirma que a jovem “foi elogiada em todas as prisões por que passou”. 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Johnny Bravo

    Gente… Por que não soltam logo essa mulher…? Tá toda hora na rua mesmo… Como se já não bastasse o escárnio de conceder indulto de dia das mães pra uma pessoa que assassinou covarde e cruelmente a própria mãe…
    O Brasil é o pais das piadas de mau gosto…

    Curtir

  2. E este amor por criminoso(a), do Rogério Olberg, é que mais me espanta. Imagine o seguinte diálogo “Oi mãe. Esta e a Suzane. Ela mandou matar seus pais cruelmente, sem possibilidade de defesa e agora está solta. Você nos abençoa?”

    Curtir

  3. De acordo com nossa “Lei penal” tá certo! Afinal ela ajudou a matar só os 2 pais. Se fossem os avós seriam 4. Essa desgraça de Código Penal vai acabar de destruir o Brasil

    Curtir

  4. Alcides Faria

    Pra chegar ao ponto de uma filha matar os pais, fico imaginando o tipo de educação que essa menina recebeu.

    Curtir

  5. Carlos Moura

    Ás vezes parece que as nossas autoridades querem nos ensinar que o respeito aos nossos pais, às coisas públicas e às pessoas a quem devemos algum tipo de obediência não deve ser levado muito à sério, não é mesmo?

    Curtir

  6. Leonidas Neves

    grandes empresários, políticos e artistas em geral, também deveriam doar maquinários e ferramentas a todas as presas do brasil para reintegra las a sociedade. Suzane sua desgraçada tem todo o apoio dos Direitos humanos viva a impunidade.

    Curtir

  7. Mário Takeospa

    É linda dessa demônia.

    Curtir

  8. demirferro@hotmail.com Ferro

    …já imaginaram a cigarra toca, quando vamos ver quem é a visita…, é justamente duma Suzane…, e ai…, fazer o que…?…

    Curtir