Clique e assine a partir de 8,90/mês

Sem lockdown, Witzel vai punir quem não cumprir isolamento no Rio

Bloqueio total das atividades está sendo analisada pelo governador, que anunciou aumento da fiscalização nesta terça-feira

Por Cássio Bruno, Sofia Cerqueira - Atualizado em 5 Maio 2020, 17h35 - Publicado em 5 Maio 2020, 17h27

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), analisa a possibilidade decretar o lockdown para tentar reduzir o número de casos de coronavírus no estado. Witzel, no entanto, não tomará qualquer decisão sobre isso pelo menos até o próximo dia 11, quando termina o prazo das medidas restritivas de isolamento social publicadas por ele. Segundo VEJA apurou, estão sendo discutidos, por exemplo, a curva de contágio por Covid-19, o número de leitos disponíveis aos doentes e o grau de circulação da população nas ruas.

Nesta terça-feira, 5, Witzel anunciou que aumentará a fiscalização para punir quem descumprir o isolamento social. O governador explicou que, em parceria com o Ministério Público, a Polícia Militar fechará estabelecimentos comerciais que não estiverem cumprindo as determinações. Os que não estão autorizados a funcionar, por não serem prestadores de serviços essenciais, serão fechados e também multados por descumprimento das regras sanitárias.

Além disso, de acordo com Witzel, as pessoas que forem flagradas em aglomerações serão levadas para a delegacia e serão autuadas pelo crime de desobediência e responsabilizadas por seus atos.  Dados do governo mostram que 60% da população estão nas ruas. “Estamos intensificando essas medidas para impedir que a população se contamine e tenhamos mais pessoas indo para os hospitais públicos e privados, que estão no seu limite de atendimento neste momento”,  disse Witzel.

Embora tenha negado que haveria colapso no sistema da rede estadual de saúde em uma entrevista nas Páginas Amarelas de VEJA, Witzel, porém, já admite o problema. O governador tem tido reuniões diárias por videoconferência para avaliar as medidas que estão em vigor no momento e as novas ações que poderão ser adotadas futuramente. Nesta terça-feira, ele participou de um encontro virtual com membros do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), além de representantes de diferentes esferas de governo.

De acordo com boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde na última segunda-feira, foram registrados 11.721 casos de coronavírus. No total, morreram 1.065 pessoas por causa da doença. Até o momento, 7.260 pacientes estão recuperados do Covid-19. São 670 óbitos só na capital.

Recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e utilizado em países, como a Itália, o lockdown é o bloqueio total das atividades. Inicialmente, Witzel chegou a descartar um isolamento mais rígido no estado do Rio. No entanto, um comitê científico que assessora o governador apresentou a proposta, como informou o jornal “O Globo”. O grupo levou em conta, principalmente, o afrouxamento por parte da população nas ruas e também o aumento de pessoas contaminadas.

Continua após a publicidade
Publicidade