Quem é o jovem trans que viralizou com homenagem dos homens da família

Richard Alcântara foi surpreendido por familiares usando fitas semelhantes a dele para cobrir os seios: 'Foi a cena mais linda da minha vida'

Por Giovanna Romano - Atualizado em 9 out 2019, 17h47 - Publicado em 9 out 2019, 17h19

“Você é homem igual nóis [sic].” Essa foi a frase que o auxiliar de cozinha Richard Alcântara, de 22 anos, ouviu quando os homens de sua família, enfileirados de costas, viraram-se para ele, surpreendentemente, usando fitas, semelhantes a dele, para cobrir os seios. O jovem transexual enfrentava naquele dia, pela primeira vez, o desafio de ficar sem camiseta em frente aos familiares durante o aniversário de sua mãe em uma chácara.

Alcântara conta que estava sentindo vergonha porque nunca ninguém da família, nem mesmo a sua mãe, tinha visto ele daquela maneira. “Eu tinha vergonha de mim. Tirei a regata que estava usando e pedi para que a minha namorada tirasse uma foto rápida minha, para que ninguém reparasse. Fui ao banheiro e, quando voltei, vi aquilo. Meu coração parecia que ia explodir. Foi a cena mais linda da minha vida”, relata a VEJA.

O jovem conta que a família não teve preconceitos sobre a sua identidade de gênero. Alcântara nasceu homem em um corpo biológico de mulher. Durante a adolescência, ele se mutilava e chegou a tentar cometer suicídio, porque não conseguia se aceitar do jeito que era. Entretanto, não tinha a consciência do que era um homem transexual, e foi a partir de exemplos que ele começou a se identificar.

“Eu não aceitava ser homem, eu não queria ser homem. Nunca tive a experiência de ser um homem completo, mas tinha medo do que os outros iam pensar. Tinha medo de apanhar na rua. Desde criança, nunca gostei de brincar com as meninas e preferia jogar bola, empinar pipa. Sempre fui mais masculinizado, mas não entendia ainda a transexualidade”, afirma Alcântara.

Publicidade

De família simples, Alcântara conta que passou dificuldades quando optou pela transição, porque não conseguia um acompanhamento psicológico e psiquiátrico pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, o principal desafio é esperar pela fila da mastectomia – remoção da mama – para se enxergar no próprio corpo. “Sei que a fila é grande, mas é o meu maior sonho.”

A cirurgia custa em média 10 mil reais. O procedimento é feito para pacientes com patologias malignas de mama ou preventivamente. Para transexuais, é obrigatório a apresentação de um laudo psiquiátrico com o diagnóstico. Alcântara está tentando juntar dinheiro para realizar a mastectomia por clínicas privadas, mas afirma não ter a quantia ainda – ele organizou uma vaquinha virtual.

Família

Alcântara afirma sempre ter tido apoio da família, principalmente da sua mãe e do seu padrasto, que considera como um pai. “A minha família é a base de tudo, a minha estrutura. Eu preciso deles”, diz o jovem, emocionado. Uma das principais demonstrações de amor, para ele, foi o episódio da chácara, organizado pelo seu tio Osvaldo Alcântara, de 48 anos, que trabalha como motorista de ônibus.

O familiar contou a VEJA que viu que Alcântara estava envergonhado e quis homenageá-lo por ter organizado o aniversário de sua mãe. “Resolvemos colocar a fita no peito também para que ele se sentisse mais confortável na festa. Damos muito apoio. Ele tem que fazer aquilo que for melhor para a sua vida. Eu o aceito de coração”, afirmou.

Publicidade

O jovem transexual está recebendo diversas mensagens de apoio de pessoas desconhecidas. Apesar de também receber críticas, ele é otimista e afirma que “não leva em consideração, porque a positividade sempre é maior”. Alcântara quer que a situação seja um exemplo para pessoas da comunidade LGBT e aconselha, para quem não tem apoio da família: “Não se sintam ameaçados”.

Publicidade