Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PF mira hackers e fará ofensiva com bancos e gigantes do e-commerce

Dias depois dos ataques que derrubaram os sites da Americanas.com e do Submarino será anunciada parceria com iniciativa privada contra crimes cibernéticos

Por Laryssa Borges 24 fev 2022, 09h24

Nos últimos anos foram pelo menos dois grandes ataques de hackers a valiosos bancos de dados do governo federal. Em 2020, o mais ousado deles, sequestrou o gigantesco acervo de processos do Superior Tribunal de Justiça (STJ), incluindo investigações sigilosas e quebras de sigilo contra grandes líderes de facções criminosas. Seus autores nunca foram punidos. No final do ano passado, registros de vacinação e informações sanitárias controladas pelo Ministério da Saúde foram confiscadas por piratas cibernéticos depois que eles conseguiram invadir, pela nuvem, as barreiras de segurança digital de três empresas que armazenavam o material. Outros 23 órgãos do governo foram alvo dos mesmos criminosos.

Desde então, sem alarde, a Polícia Federal começou a negociar com empresas privadas e bancos públicos e privados a formação de uma parceria para entender o modus operandi dos hackers, tentar se antecipar a novos ataques e quebrar a resistência de servidores, normalmente hospedados no exterior, em compartilhar informações que possam ajudar nas investigações. Nesta quinta-feira 24, a PF anunciará a consolidação das primeiras parcerias, que devem incluir instituições financeiras e gigantes do e-commerce, que formarão uma força-tarefa de troca de informações confidenciais sobre crimes cibernéticos, vulnerabilidades em sistemas de informática e negociações de pedidos de resgate de dados.

O anúncio ocorre dias depois de o grupo de hackers LAPSUS$ ter reivindicado o ataque que derrubou, no sábado 19, os sites da Americanas.com e do Submarino. Um novo ataque, também no sábado, anunciou a invasão do sistema de pagamentos da Americanas: “round2 Americanas. This time we hacking the the PCI (payment) environment also LOL”. Na manhã desta segunda-feira, 21, as ações da empresa caíam 4%, registrando a maior queda da bolsa de valores.

A apresentação do projeto da Polícia Federal para o enfrentamento às ameaças cibernéticas terá a participação de empresas como Banco do Brasil, Caixa Econômica, Santander, XP, Mercado Livre e Zetta, além da Federação Nacional dos Bancos (Febraban) e de associações financeiras, de crédito e de varejo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)