Clique e assine a partir de 8,90/mês

Os tuítes mais ‘imprecionantes’ de Weintraub

Além de escrever 'paralização' e trocar Kafka por 'kafta', o ministro da Educação já usou e abusou do Twitter para gracinhas

Por Maria Clara Vieira - 9 jan 2020, 18h09

Dançando na chuva

O primeiro tuíte viral do ministro da Educação foi em maio de 2019, quase um mês após sua posse. Na ocasião, Abraham Weintraub publicou um vídeo dele mesmo imitando Gene Kelly em Cantando na Chuva (1959) para negar a informação de que as obras do Museu Nacional estariam atrasadas por causa do MEC.

Continua após a publicidade

A cadela de esquerda

Desde antes de assumir o MEC, Weintraub nunca escondeu sua mágoa com a esquerda. Em 29 de setembro, fez questão de contar aos seus seguidores que sua cadela, Capitu, é de esquerda – e que, portanto, tudo o que ela “faz” em público vai para o lixo.

Continua após a publicidade

“Abe is out”

Ninguém entendeu muito bem a brincadeira na hora, mas em outubro do ano passado, ao anunciar o descontingenciamento dos recursos das universidades federais, o ministro deixou a entrevista coletiva com um óculos pixelado (referência aos memes da internet) e a frase “Abe is out”.  Depois, foi a público explicar que Abe é um diminutivo de Abraham e que a frase era o equivalente a um “sextou”.

Continua após a publicidade

Paulo Freire de Halloween

Em mais uma das suas pinimbas com a esquerda e, claro, com o patrono dos educadores brasileiros, Weintraub comentou, na tarde de 21 de outubro, que “olhando do alto, Paulo Freire é ainda mais feio”, em referência ao monumento dedicado ao educador.

Continua após a publicidade

Ataque a seguidora

No feriado da Proclamação da República, outro show de tuítes – desta vez, não tão engraçadinhos. Após ter sido criticado por uma seguidora por causa de sua defesa ao Império, o ministro atacou a família da internauta.

Continua após a publicidade

A crítica por engano

No dia de Natal, Weintraub surpreendeu os internautas ao compartilhar um tuíte do youtuber Nando Moura – um ex-apoiador de Bolsonaro. A postagem dizia que o presidente teria traído o ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao sancionar a figura do juiz de garantia. Weintraub apagou a postagem e disse que foi engano.

Continua após a publicidade
Publicidade