Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“O Bruno estava num barril de pólvora”, diz delegado

Ex-superintendente da PF e ex-coordenador de Operações Especiais de Fronteira na Amazônia acredita que o desaparecimento esteja ligado ao tráfico

Por Hugo Marques Atualizado em 11 jun 2022, 13h49 - Publicado em 11 jun 2022, 11h30

Mauro Sposito foi por oito anos superintendente da Polícia Federal no Amazonas e depois coordenador de Operações Especiais de Fronteira na região. Ele se aposentou como delegado em 2015 e hoje vive de advocacia. Conhece como poucos a região.

A VEJA, Sposito falou de suas impressões sobre o que poderia ter acontecido com ambientalista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, desparecidos há uma semana na região do Javari. Ele descarta a possibilidade de um acidente. Para o ex-delegado, se a canoa afundasse, vários vestígios já teriam sido encontrados no Rio.  O desaparecimento de Bruno e Dom, segundo ele, provavelmente está relacionado ao tráfico de drogas na região.

Sposito ajudou a coordenar seis operações internacionais  no período em que estava na ativa, para tentar erradicar o cultivo de coca na região, especialmente no Peru. Para ele, são operações para “enxugar gelo”, pois o negócio rende muto dinheiro. Em 20 mil hectares de coca podem ser feitas quatro colheiras anuais, que renderiam por ano 3 bilhões de reais com venda de pasta-base de cocaína.

Alguns traficantes possuem áreas pequenas, de 100 a 200 hectares, mas contratam muita gente para o plantio, geralmente indígenas. Na região, no lado peruano, diz Sposito, não há poder público e as pessoas se matam sem que haja nenhum tipo de investigação.

Do lado brasileiro não há plantio de coca, diz Sposito, mas a cada safra os parentes dos índios peruanos são chamados no lado brasileiro para ajudar na colheita, em troca de roupas e alimentos. Ele acredita que Bruno e o jornalista possam ter sido confundidos com policiais ou mesmo os traficantes poderiam tê-los matado por medo de serem denunciados.

“O Bruno estava dentro de um barril de pólvora”, diz ele. O simples fato de o repórter eventualmente ter tirado uma foto de um traficante já poderia ser motivo de uma retaliação”, afirma o ex-delegado, que conhece o ambientalista de operações realizadas em conjunto com a Funai. “O Bruno só andava armado com uma pistola na cintura”, afirma.

Sposito esteve em Atalaia pelo menos 50 vezes.  Segundo ele, a única divergência dos pescadores da região com o pessoal da Funai é a proibição de pesca nos rios Ituí e Itaquaí.  A área é de proteção ambiental, devido à existência de índios isolados. Mas Sposito não acredita que os possíveis matadores estivessem a serviço de pescadores. Por enquanto, o único suspeito preso é o ribeirinho Amarildo Oliveira.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)