Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Maracatu rural é estrela do Carnaval no interior de Pernambuco

A modalidade carnavalesca também podem ser prestigiada no carnaval de Olinda, no bairro da Cidade Tabajara

Por Da redação
Atualizado em 13 fev 2018, 11h27 - Publicado em 12 fev 2018, 20h07

Na chegada a Nazaré da Mata, em Pernambuco, ainda na estrada, percebe-se que a cidade ganha um colorido nesta época do ano. E não se trata de decoração carnavalesca, mas, sim, das roupas dos caboclos de lança que chegam barulhentos à cidade para o dia do encontro das nações de maracatu nesta segunda-feira, 12. O tradicional cortejo com quase 100 grupos toma a praça da cidade, se renovando com as mulheres.

Com cerca de 30 mil habitantes e a uma hora, em média, da capital Recife, a cidade localizada na zona da mata pernambucana é o centro da cultura do maracatu rural (ou de baque solto), que está intimamente ligada às plantações de cana-de-açúcar, muito tradicionais em toda a região. O som do batuque das alfaias (instrumento do maracatu de baque virado) não está ali. O que move o desfile são as alegorias das roupas da corte e dos caboclos de lança, além dos mestres puxadores, que fazem a rima e conduzem o cortejo.

Um carnaval menos folião e mais para ser visto. Trabalhador de um engenho de cana, Biu Profino é caboclo de lança há 23 anos no grupo Estrela Brilhante. Para ele, o maracatu não se resume ao carnaval. “A gente ensaia o ano inteiro nos barracões, é a diversão pra gente que trabalha na cana”, disse enquanto se vestia com a roupa de cerca de 20 kg para a apresentação.

A figura do caboclo de lança, que simboliza a proteção dentro do cortejo, costuma ser encarnada por homens que são respeitados dentro das comunidades. Mas agora isso não é mais regra. Nesta segunda-feira, um dos primeiros grupos a se apresentar foi o Coração Nazareno, formado apenas por mulheres de uma associação da cidade.

Se na tradição, o papel de mulher se resumia às rainhas da corte ou baianas e à confecção das roupas, o grupo prova que elas também podem ser as guerreiras do grupo. “Alguns ainda olham torto. Mas levantamos a nossa bandeira”, disse Cristina Mota, mestra da agremiação. O grupo este ano saiu com o tema “Eu quero amor e paz: deixe sua violência para trás”, contra a violência doméstica.

Contrariando a tradição há 8 anos, a auxiliar de abate Cristina França, desde sempre, desfilou com a roupa dos caboclos de lança. Ela viajava em um ônibus com os outros caboclos – no caso, todos homens. “Eu ia pro ônibus das baianas para trocar de roupa, porque não podia lá”, comentou. Neste ano, ela passou a fazer parte da turma das mulheres. “É bom, né? O que acontece aqui, fica entre as mulheres”. O evento acontece nesta segunda e na terça-feira, 13. Os maracatus rurais também podem ser vistos no carnaval de Olinda, no bairro da Cidade Tabajara.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.