Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

STF nega liberdade a Eduardo Cunha

Defesa do ex-deputado, preso em Curitiba desde outubro, argumentava que Sergio Moro desrespeitou decisão do ministro Teori Zavascki

Por oito votos a um, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, nesta quarta-feira, liberdade ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A sessão na Corte deliberou a respeito de um recurso contra a prisão preventiva de Cunha, determinada pelo juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba. O peemedebista está preso na capital paranaense desde outubro de 2016. Na sexta-feira passada, Moro negou um habeas corpus da defesa do ex-presidente da Câmara.

Foram contrários à soltura de Cunha os ministros Edson Fachin, novo relator da Lava Jato no STF,  Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e a presidente do Supremo, Cármen Lúcia. Marco Aurélio Mello votou favoravelmente à liberdade de Eduardo Cunha por ato de ofício. O ministro Ricardo Lewandowski não participou da sessão de hoje.

No recurso de Cunha, uma reclamação, a defesa do ex-deputado argumentava que, como Teori Zavascki não decretou a prisão preventiva pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na decisão em que afastou Cunha da presidência da Câmara, Moro teria descumprido o entendimento do então relator da Lava Jato ao mandar prendê-lo.

Edson Fachin entende, no entanto, que não houve desrespeito porque Teori considerou em sua decisão que, como tinha mandato parlamentar, Cunha só poderia ser preso em flagrante. Quando foi levado à cadeia na Lava Jato, por ordem de Moro, o peemedebista já havia tido o mandato cassado na Câmara.

“É equivocada a conclusão de que um magistrado, ao não decretar a prisão preventiva, decide que não estão presentes motivos a tal medida. O reclamante confunde a ausência de análise de um pedido com ausência de motivos justificadores deste mesmo pedido”, argumentou Fachin, em seu primeiro julgamento como relator do petrolão no plenário do Supremo.

O relator ainda lembrou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou um habeas corpus a Cunha, mas que o pedido de liberdade ainda está em tramitação na instância inferior. “É firme a jurisprudência desta Suprema Corte quanto ao não conhecimento de habeas impetrado perante o Supremo Tribunal Federal veiculando matérias não submetidas previamente aos tribunais que se encontram abaixo de sua hierarquia jurisdicional.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Geroldo Zanon

    O LAVA JATO só deve parar quando prenderem o LADRÃO LULA

    Curtir

  2. Será que já estamos começando a ver justiça?…Tomara. Vi o depoimento dele para o Sr. Juiz #SérgioMoro, e a arrogância com que respondia as questões…Furou o #malMarisa?…Decerto…rsrsrs

    Curtir

  3. Alberto Lopes Lapolli

    Começou como lava Jato..forte imponente aerador..agora parece um lava com bisnaga de carnaval..porque lava lava mas não lava NADA.

    Curtir

  4. Liê Ribeiro

    Vamos em frente Juiz Sergio Moro, vamos em frente

    Curtir

  5. Nilton Castro

    Passinho à frente, dona Dilma, a fila andou.

    Curtir

  6. E o Ministro Estrela Marco Aurélio sempre querendo aparecer…é brincadeira…

    Curtir