Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maia instala comissão para analisar abuso de autoridade

Aprovado no Senado, projeto prevê que juízes, procuradores e promotores poderão ser acusados do crime. Maia nega que comissão seja retaliação ao Judiciário

Após deixar a proposta parada na Casa por quase seis meses, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criou uma comissão especial para analisar projeto de lei já aprovado pelo Senado que trata do abuso de autoridade.

O ato de criação do colegiado foi assinado por Maia nessa quinta-feira, um dia após deputados rejeitarem a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer por 251 a 233 votos. Pelo despacho, a proposta deverá tramitar com “prioridade”, como exige o regimento interno da Câmara em caso de propostas do Senado.

A comissão deverá ter 34 integrantes titulares e igual número de suplentes. As vagas são distribuídas proporcionalmente ao tamanho das bancadas dos partidos. O ato de criação do colegiado deve ser ligado na próxima sessão plenária.

O presidente da Câmara negou que a instalação da comissão seja uma retaliação ao Judiciário em meio às investigações contra esquemas de corrupção, como a Operação Lava Jato. “A comissão foi um pedido de associações de juízes e procuradores para garantir o debate. O mesmo pedido foi feito e atendido no PL do teto (salarial)”, afirmou.

Rodrigo Maia disse ter recebido a demanda da juíza Renata Gil, presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro, e do procurador José Robalinho Cavalcanti, presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

Maia ressaltou que havia um temor entre juízes e procuradores de que a urgência do projeto fosse aprovada e a proposta, votada diretamente no plenário da Câmara, sem passar pelas comissões. “Com a comissão, está garantido o debate”, argumentou.

Projeto

O projeto do Senado altera a definição dos crimes de abuso de autoridade e determina que eles podem ser cometidos por servidores públicos e membros dos três poderes da República, do Ministério Público, de tribunais e conselhos de contas e das Forças Armadas.

A proposta prevê mais de 30 ações que podem ser consideradas abuso de autoridade, com penas que variam de seis meses a quatro anos de prisão. Além disso, as autoridades condenadas terão que indenizar a vítima. Em caso de reincidência, pode haver a inabilitação para exercício da função pública e até a perda do cargo.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. glauco arias

    Temer será o 1º a ser enquadrado nesta lei.
    Abuso de poder usando dinheiro público para comprar apoio e obstruir a justiça.
    O Congresso inteiro poderá ser enquadrado nesta lei, por abuso da paciência dos eleitores.
    VERGONHOSA A ATUAÇÃO DESTE CONGRESSO QUE DEVERIA SER FECHADO POR LEGISLAR SOMENTE EM CAUSA PRÓPRIA.
    UMA CASA CORRUPTA E SEM REPRESENTATIVIDADE, MAS PRINCIPALMENTE SEM LEGITIMIDADE.
    SÓ UMA INTERVENÇÃO SALVA A NAÇÃO DESTA ORCRIM QUE USURPOU O PODER.
    SEM JUSTIÇA NÃO EXISTE DEMOCRACIA.

    Curtir