Clique e assine a partir de 9,90/mês

Homem mata a mulher e esconde o corpo em parede

Delegada se disse surpresa com a frieza do criminoso ao relatar a confissão

Por Talyta Vespa - 17 jul 2015, 17h55

Agentes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo prenderam na quinta-feira um homem de 36 anos que confessou ter matado a mulher e escondido o corpo dela em uma parede. O crime ocorreu no dia 3 de julho, mas Silvio Paulo dos Santos só o confessou aos policiais quinze dias mais tarde. Ele dizia aos agentes e a familiares que a mulher, Ana Katarina da Silva Sousa, de 29 anos, havia desaparecido. O casal estava prestes a assinar o divórcio.

Santos chegou a registrar um Boletim de Ocorrência sobre o sumiço da mulher. Segundo informações da delegada Ana Lúcia Miranda, o cozinheiro disse a todos os familiares e amigos de Ana Katarina que ela havia fugido. “As pessoas próximas a Ana não acreditaram na versão de Santos, uma vez que ela era muito ligada nas redes sociais e no celular, então estava sempre conectada conversando com todos”, contou a delegada. “Se tivesse fugido, teria avisado pelo menos a família”.

O homem contou aos policiais que deixaria a casa em que vivia com a mulher para viver com os filhos na casa de sua mãe. A delegada afirmou que o casal já tinha um histórico de brigas e separações. De acordo com os depoimentos de familiares de Ana, ela tinha um relacionamento extraconjugal. Depois de colher depoimentos de familiares e amigos de Ana, a polícia procurou o marido e pediu que os acompanhasse à antiga casa do casal para falar do relacionamento.

Leia também:

Continua após a publicidade

Áudio: marido combina morte da mulher por WhatsApp: ‘Finaliza hoje’

Ao ser pressionado pelos agentes, Santos apontou para a parede e disse que lá havia escondido o corpo. “Eu arregalei os olhos, não tinha entendido o que ele quis dizer. Até que, em um ataque de frieza, Santos disse que a matou e não sabia como se livrar do corpo”, contou a delegada. Ao abrirem a parede, os agentes de polícia encontraram o corpo de Ana já em decomposição.

O casal discutiu na manhã do crime. Após a briga, Santos matou a mulher e seguiu para o trabalho. Ele deixou as crianças com a avó e só se preocupou com o corpo ao voltar para casa. Segundo a polícia, ele agiu cautelosamente para que os vizinhos não ouvissem o barulho da “reforma”. Na parede de alvenaria, ele abriu um buraco profundo e colocou o corpo da mulher – ela media 1,40 m. Depois, cobriu com cimento e ainda colocou um móvel em frente. O corpo ficou no local por quinze dias e, de acordo com a delegada, não era possível sentir o odor da decomposição do corpo pelo forte cheiro de mofo que pairava sobre a casa.

Ana Lúcia disse que a polícia trabalha com a hipótese de crime passional. “Ele disse que não sabia da existência do amante de Ana, mas todos os familiares afirmaram que ele tinha conhecimento do caso. Como a separação já estava marcada, suspeitamos de que o crime tenha sido passional”. Santos foi preso e indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. “Decretei a prisão temporária dele, por quinze dias, mas já fiz o pedido de prisão preventiva”, afirmou a delegada.

Publicidade