Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em uma semana, velocidade de deformação de paredão de mina dobra em MG

Ritmo de descida do material para dentro de cava de mineração passou de 15,5 centímetros a cada 24 horas para 33,4 centímetros por dia neste sábado

A velocidade de deformação do talude (parede de contenção) da cava da mina de Gongo Soco, da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG), mais do que dobrou na última semana. O ritmo passou de 15,5 centímetros a cada 24 horas em 26 de maio, para 33,4 centímetros por dia neste sábado, 1º de junho.

As informações são da Agência Nacional de Mineração (ANM). A deformação do talude é a descida, aos poucos, do material do talude e que, conforme a Vale, está indo para dentro da cava da mina.

Na sexta-feira, 31, a Vale informou que parte do talude havia desmoronado, mas sem impacto à estrutura da barragem.“As primeiras avaliações indicam que o material está deslizando de forma gradual, o que até o momento corrobora as estimativas de que o desprendimento do talude deverá ocorrer sem maiores consequências”, informou a mineradora, em nota.

A Vale disse ainda que a barragem segue com monitoramento 24 horas por dia com uso de radar e estação robótica capazes de “detectar movimentações milimétricas”.

Um estudo de impacto de um eventual rompimento da barragem aponta para a possibilidade de morte de moradores e “inundação generalizada de áreas rurais e urbanas” em três municípios, além de possíveis interrupções de estradas e problemas com abastecimento de água e de luz.

O temor das autoridades é que, com o desprendimento de partes maiores do talude, seja gerado um abalo sísmico capaz de fazer com que a barragem se rompa, atingindo os municípios de Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo.

Nas três cidades, a população que teria de ser retirada de casa para não ser atingida pela lama ultrapassa 10.000 pessoas: são cerca de 6.000 em Barão de Cocais, 2.400 em São Gonçalo do Rio Abaixo e 1.700 em Santa Bárbara. As três cidades já passaram por simulações de evacuação.

Mesmo com os monitoramentos frequentes, a ANM afirmou que não tinha uma ideia exata de quando o talude poderia se romper. A agência interditou e suspendeu as atividades do complexo minerário Gongo Soco no dia 17 de maio. O risco de rompimento da represa segue no nível 3, o mais alto, de acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico da cidade e membro efetivo da Defesa Civil.

A barragem Sul Superior teve nível de segurança elevado ao nível 3, que indica risco iminente de ruptura, em 22 de março, depois que uma auditoria se negou a emitir laudo de segurança para a estrutura. No dia 13, a empresa informou às autoridades que o talude da mina da represa poderia desmoronar, ocasionando abalo sísmico que poderia fazer com que a Sul Superior se rompesse.

(com Estadão Conteúdo)