Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em Aracaju, PF prende suspeito de executar líderes do PCC

Carlenilton Pereira Maltas, conhecido como 'Ceará', é acusado de matar Gegê do Mangue e Paca, assassinados em fevereiro de 2018

Por Estadão Conteúdo 7 abr 2019, 21h21

A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã deste domingo, 7, em Aracaju, Carlenilton Pereira Maltas, de 39 anos, conhecido como “Ceará”. Ele é acusado de ser um dos executores de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Em janeiro, a PF já havia prendido outro suspeito de participar das execuções em Itanhaém, no litoral sul paulista. Jefte Ferreira dos Santos foi acusado de ajudar na logística e no transporte dos executores de Gegê e Paca. Carlenilton morava em um condomínio de luxo, no bairro Garcia, na capital do Sergipe. Gegê e Paca foram assassinados no dia 16 de fevereiro do ano passado.

O mandado de prisão contra Carlenilton foi expedido pelo juízo de uma comarca de Aquiraz, em Fortaleza, onde ocorreu a execução dos dois criminosos. A captura do suspeito foi fruto de um trabalho conjunto entre as superintendências da PF em Sergipe e no Ceará. Com o suspeito, os agentes apreenderam um veículo blindado, joias, telefones, celulares e documentos.

Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, era a maior liderança do PCC nas ruas e foi morto na reserva indígena de Aquiraz, a 30 quilômetros de Fortaleza. Com ele, também foi encontrado morto Fabiano Alves de Souza, o Paca.

Na época do crime, 16 de fevereiro de 2018, testemunhas contaram à polícia que um helicóptero pousou na região e, logo depois, foram ouvidos vários tiros. Os dois tiveram os olhos furados, sinal de “olho gordo”, por supostamente estarem se beneficiando às custas da facção.

Os corpos só foram identificados horas depois, mas a mensagem se espalhou pelo sistema prisional paulista dando conta da morte de Gegê. As execuções desencadearam uma guerra interna no PCC. A cúpula da organização criminosa teria determinado que os envolvidos no ataque fossem executados.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês