Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Curitiba alerta sobre Baleia Azul após 5 tentativas de suicídio

Segundo a prefeitura, cinco adolescentes de 13 a 17 anos foram atendidos na rede municipal de saúde na madrugada após automutilação e ingestão de remédios

Por Da Redação
Atualizado em 20 abr 2017, 12h29 - Publicado em 18 abr 2017, 21h41

A Prefeitura de Curitiba emitiu nesta terça-feira um alerta aos pais sobre o ‘jogo’ da Baleia Azul, que incentiva o suicídio, depois que a rede municipal de saúde registrou nesta madrugada cinco tentativas de suicídio entre adolescentes de 13 a 17 anos, que foram atendidos e encaminhados para acompanhamento em Centros de Atenção Psicossocial (Caps).

Em todos o casos, diz a prefeitura, havia sinais de automutilação e ingestão de medicamentos. O Baleia Azul, que surgiu nas redes sociais russas e virou uma grande preocupação recente dos pais no Brasil, lista uma série de desafios aos participantes, que incluem automutilação e, no ápice, o suicídio.

O problema ganhou repercussão nacional depois que a adolescente Maria de Fátima Oliveira, de 16 anos, foi encontrada morta na terça-feira (11) em uma represa de Vila Rica (MT), supostamente após cumprir a última tarefa do Baleia Azul. A adolescente tinha cortes na coxa e braços e deixou cartas que indicariam a participação dela no desafio. O caso está sob investigação.

Em Curitiba, a prefeitura também diz que “ainda não há confirmação se os casos têm relação com o Baleia Azul”. “A prefeitura acionou o Conselho Tutelar, responsável para comunicar o caso à Polícia Civil, e também solicitou investigação à Polícia Federal. Além disso, serão desenvolvidas atividades de prevenção ao suicídio nas escolas com estudantes adolescentes, faixa etária alvo da página que incentiva o suicídio. A ação envolve as secretarias municipal e estadual de Educação”, afirmou a prefeitura em seu site.

Continua após a publicidade

“Orientamos que pais e responsáveis conversem com os adolescentes e fiquem atentos a sinais de isolamento, perda de vínculo familiar e quadros de automutilação”, diz o secretário municipal da Saúde de Curitiba, João Carlos Baracho. De acordo com o Baracho, os postos de saúde são a porta de entrada no sistema para aquelas famílias que precisam de ajuda. Caso seja necessário, o posto pode direcionar para atendimento de saúde mental em Caps ou outro serviço especializado, de acordo com a gravidade do caso.

A prefeitura também fez um alerta em relação ao seriado 13 Reasons Why (13 motivos), série americana de TV exibida pela Netflix que contam a história de uma menina que deixa fitas cassetes explicando as razões que a levaram a cometer suicídio.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.