Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronavírus: tráfico e milícia impõem toque de recolher em favelas do Rio

Moradores da Rocinha, Cidade de Deus e Rio das Pedras, por exemplo, não podem sair às ruas depois das 20h

Por Da Redação 24 mar 2020, 09h18

Traficantes e milicianos do Rio de Janeiro estão ordenando toque de recolher em favelas da cidade por causa da pandemia do coronavírus. Em várias comunidades, cartazes espalhados nas ruas e vielas e carros de som circulam com a ordem. Na Rocinha, Zona Sul, moradores receberam o recado do tráfico via WhatsApp para não saírem de casa depois das 20h, como revelou a VEJA Rio com exclusividade na noite do último sábado.

“CV (Comando Vermelho) comunica: Pessoal, fica em casa. A coisa está ficando séria e tem gente que tá levando na brincadeira. Os corruptos de Brasília falaram para não sair mais (sic) tem um povinho se fazendo de surdo. Agora vocês vão ficar em casa por bem ou por mal. Toc (sic) de recolher todos os dias a partir das 20:00. Quem for pego na rua vai aprender como respeitar o próximo. Queremos o melhor para a população. Se o governo não tem capacidade de dar um jeito, o crime organizado resolve”, diz o aviso na Rocinha, com erros de português, distribuído para os telefones dos moradores.

O mesmo horário foi estabelecido por milicianos que dominam a favela de Rio das Pedras e adjacências, na Zona Oeste. “Atenção todos os moradores de Rio das Pedras, Muzema e Tijuquinha! Toque de recolher a partir de hoje 20:00 hrs. Quem for visto na rua após este horário vai aprender a respeitar o próximo!”, dizia um dos alertas divulgado pelos paramilitares.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, 63 casos da doença em comunidades estavam sendo investigados até a última segunda-feira. Um deles foi confirmado na Cidade de Deus, onde um alto-falante está sendo utilizado pelo bandidos para chamar a atenção dos moradores. Na favela, são 19 pessoas com suspeitas de terem contraído o Covid-19.

“Estamos tentando levar uma vida normal, mas está muito difícil. Sem trabalho, não há dinheiro. E, agora, não podemos mais sair de casa à noite”, revelou um morador da Cidade de Deus a VEJA. O recado dos traficantes da comunidade é assim:  Quem estiver na rua de sacanagem ou batendo perna vai receber um corretivo e vai ficar de exemplo. É melhor ficar em casa de molho. O recado já foi dado”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.