Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A “ucranização” à brasileira de grupos bolsonaristas

Após confusão na Paulista, a embaixada ucraniana no Brasil se pronunciou sobre o mal-entendido

Por Edoardo Ghirotto, Eduardo Gonçalves, João Pedroso de Campos, Marcela Mattos Atualizado em 5 jun 2020, 13h13 - Publicado em 5 jun 2020, 06h00

Os grupos bolsonaristas têm como uma das principais bandeiras a antiglobalização, mas na hora de protestar são os primeiros a trazer elementos do exterior para cá. Nessa linha, a expressão “vamos ucranizar o Brasil” virou nova moda entre a turma. O negócio não ficou só nas palavras de ordem. Uma versão antiga de um pendão de guerra do país do Leste Europeu, nas cores preta e vermelha e com um tridente no centro, passou a ser envergada nessas ocasiões e teria sido o estopim para a confusão ocorrida no último domingo, 31. Opositores ao governo começaram a discutir com Alex Silva, que carregava o símbolo. Brasileiro que mora em Kiev desde 2014, ele é instrutor de segurança de uma empresa que oferece treinamento militar a grupos privados e públicos em diversas partes do mundo, da África ao Oriente Médio. Nas redes sociais, repletas de fotos em cenas de guerra, Alex diz trabalhar com o pessoal de “Forças Especiais”. A amigos, Alex disse que levou a bandeira à Paulista em homenagem a sua mulher, que é ucraniana. Desde março ele está no Brasil e só não voltou ainda para o Leste Europeu por causa das restrições de voo impostas pela pandemia da Covid-19.

ASSINE VEJA

Os riscos da escalada de tensão política para a democracia Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família Weintraub
Clique e Assine

Como esse símbolo nacional de uma ex-república soviética virou objeto de adoração entre os bolsonaristas? A inspiração veio do partido Pravyi Sektor, um grupo de extrema direita da Ucrânia que o governo russo rotulou de neonazista. Isso porque o herói deles é o líder nacionalista Stepan Bandera. Nos anos 40, ele se uniu à Alemanha Nazista para tentar libertar a Ucrânia do domínio soviético. “A bandeira é um símbolo neutro e histórico que foi ressignificado e incorporado por um grupo radical de direita”, explica o historiador da USP Angelo Segrillo, autor dos livros Os Russos e O Declínio da União Soviética. Depois da confusão na Paulista, a embaixada ucraniana no Brasil se pronunciou lembrando que o pendão preto e vermelho é um símbolo histórico do século XVI que remete à luta contra os invasores estrangeiros — e não tem nada a ver com o nazifascismo. Faltou apenas avisar os manifestantes.

Publicado em VEJA de 10 de junho de 2020, edição nº 2690

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)