Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Doze perguntas-chave para 2021, um ano sem ‘anabolizantes’

Além da vacinação contra a Covid-19, outras questões são essenciais para entender como será o ano que chega

Por Thomas Traumann Atualizado em 28 dez 2020, 13h07 - Publicado em 28 dez 2020, 13h01

2021 será 2020 sem anabolizantes. O fim da flexibilidade do orçamento de guerra devolve a responsabilidade do tesouro aos limites de um déficit de R$247 bilhões ante um rombo de quase R$ 800 bilhões neste ano. Acaba a distribuição do Auxílio Emergencial e a anistia temporária das dívidas federais dos Estados, enquanto os dados sanitários mostram um repique nos números de contaminados e mortos por Covid-19 sem que o governo tenha um plano efetivo de vacinação em massa.

A seguir algumas das variáveis que podem dar o tom do próximo ano:

Haverá uma segunda onda de Covid-19?

O Brasil chegará a 200 mil mortos pelo coronavírus nos primeiros dias de 2021.

O gráfico por data de morte por Covid no Brasil revela que o pico da letalidade foi em maio, com 1.172 vítimas em um único dia. Esse número caiu e voltou a subir na terceira semana de julho, quando chegou a 1.044 mortes por dia. A partir daí, de acordo com levantamento do Poder360 com base nos dados informados pelas secretarias estaduais de saúde, houve uma queda contínua até novembro. Em dezembro, o número de casos registrados voltou a cresceu no formato do “V da Nike”, que Paulo Guedes imaginava para a economia. Hospitais de São Paulo, Rio, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis estão lotados e perto do esgotamento.

Nas ruas, no entanto, o vírus da ignorância é mais poderoso. Os bares, shoppings e rodoviárias das principais cidades estão lotados. A paciência do cidadão comum se foi e com ela os cuidados que minimizaram a propagação do vírus. Uma segunda onda de coronavírus, como ocorre hoje na Europa e nos EUA, pegará o Brasil com hospitais lotados, uma sociedade arredia à quarentena e um Ministério da Saúde catatônico.

Bolsonaro vai prejudicar a vacinação?

As duas farmacêuticas com contratos para distribuir vacinas no Brasil, a AstraZeneca e a Sinovac, adiaram para meados de janeiro a apresentação dos resultados da terceira fase de testes com cobaias. A britânica AstraZeneca teve falhas nos ensaios e agora tenta um acordo com os russos da Gamaleya para desenvolver um novo antivírus. A chinesa Sinovac, que deveria apresentar seus dados nesta quarta-feira (23/12), adiou a divulgação pela segunda vez. A Pfizer não respondeu ao pedido de encomenda do Ministério da Saúde por não ter estoques para entregar.

O Ministério da Saúde tem um cronograma frouxo de vacinação. O documento do Ministério prevê que brasileiros com mais de 70 anos comecem a ser vacinados em março e que até setembro 50 milhões estejam imunizados. É pouco. O Brasil tem 162 milhões de pessoas com mais de 18 anos e sem uma vacinação em massa não há como apostar em uma retomada da economia.

Porta-voz do negacionismo e do boicote à vacinação, o presidente Jair Bolsonaro disse na quarta-feira que a melhor vacina “é o próprio vírus”. Desde que o presidente iniciou sua campanha de descrédito da vacina, dobrou a quantidade de brasileiros que não pretende se imunizar.

Qual será a reação popular ao fim Auxílio Emergencial?

Ao longo de dez meses, o Auxílio Emergencial impediu o Brasil de explodir. Mais de 66 milhões de trabalhadores informais e desempregados receberam inicialmente R$ 600 e depois R$ 300 que impediram o aumento da miséria, movimentaram o comércio e, em alguns pontos do Nordeste, reduziram as desigualdades. Isso acaba em janeiro. Mais da metade dessas pessoas não está em nenhum programa social e voltará ao mercado de trabalho num momento de economia parada. Na quarta-feira (23/12), o IBGE constatou que o número de desempregados ultrapassou 14 milhões. Sabe-se que esse dado está subnotificado em função dos que até dezembro viviam com o auxílio.

Como será a relação de Biden com Bolsonaro?

Por vias transversas, o Brasil é um ponto relevante do início do governo Biden. O secretario especial de Ambiente, John Kerry, deve tentar logo nos primeiros meses do novo governo colocar de pé um acordo no qual os EUA banquem um fundo internacional de proteção à Amazônia e o Brasil concorde com metas de redução de desmatamento. Bolsonaro já repetiu que uma proposta dessas configuraria um atentado à soberania nacional. A condução desse impasse será decisiva para a relação dos dois governos.

Quem irá presidir Câmara e Senado?

O favorito na disputa na Câmara é o líder do Centrão, Arthur Lira, que tem o apoio de Bolsonaro e toda a geleia de partidos que adere a todo governo. Finalmente na quarta-feira (23/12), o grupo de Rodrigo Maia anunciou que o deputado Baleia Rossi será o candidato à presidência da Câmara. Ligado ao ex-presidente Michel Temer, Baleia é um candidato com trânsito ruim na esquerda, essencial para tentar equilibrar o jogo.

A obrigação de vencer é de Bolsonaro. Se o candidato de Bolsonaro perder, o presidente fica sem o controle da agenda da Câmara nos dois anos finais do governo. Se ganhar, poderá colocar em votação temas populares entre seus militantes, com mais liberdade para garimpeiros e grileiros na Amazônia, menos direitos para mulheres em caso de aborto, a liberação de armas e o voto impresso nas eleições.

Se perder o controle da Câmara, a oposição vai passar dois anos vivendo de notas de repúdio e editoriais de jornais que ninguém lê.

Continua após a publicidade

No Senado, todos os candidatos são simpáticos a Bolsonaro.

Mesmo com a pandemia, o Congresso votou o orçamento de guerra, o auxílio emergencial, o Fundeb, a Lei do Gás e a nova Lei de Falências. Para 2020 ficaram as propostas das reformas tributária e administrativa, as renegociações das dívidas dos Estados, privatizações e BC independente.

É a última chance dessas pautas. Em 2022, é improvável que algo de relevante seja votado.

As Forças Armadas seguirão 100% com o governo?

Arquiteto da adesão total do Exército ao governo Bolsonaro, o general Luiz Ramos está desgastado. Os filhos do presidente o odeiam, os políticos do Centrão querem seu cargo e muitos generais o culpam pelo desgaste com a nomeação de um general despreparado para o Ministério da Saúde.

A forma como Bolsonaro o substituir ou o deslocar para outro cargo deve definir a sua relação com as Forças Armadas.

Qual será o partido de Bolsonaro?

Sem partido desde que largou o PSL em novembro de 2019, Bolsonaro indicou que deve escolher uma legenda em 2021, a tempo de seus correligionários se organizarem. As opções são tentar um novo partido nanico ou, se Arthur Lira vencer a presidência da Câmara, alguma legenda do Centrão. Qualquer movimento vai precipitar o deslocamento das forças políticas para 2022.

Luciano Huck vai assumir a candidatura?

O apresentador Luciano Huck flerta com a possibilidade de ser candidato desde 2018, mas 2021 deve ser o seu deadline. Os partidos que hoje o apoiariam – Democratas, PSD e Cidadania – precisam de tempo para se organizar. Se a aliança em torno de Rodrigo Maia vencer a Câmara, a pressão sobre Huck será enorme, assim com a ansiedade sobre a Globo e os anunciantes de seu programa. Caso Bolsonaro vença na Câmara, Huck terá um dilema.

O STF vai cancelar a condenação de Lula?

A segunda turma do STF deve recomeçar o julgamento do pedido de suspeição do ex-juiz Sergio Moro na primeira condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Há dois contra Lula e dois indicados a favor. A decisão deve ficar com o novato do STF, Kássio Nunes Marques, indicado por Bolsonaro.

Mesmo se o STF considerar que Moro foi parcial no julgamento, Lula não estará em condições de ser candidato de 2022, já que tem outra condenação. O efeito político a favor do PT, no entanto, permitiria ao partido sair das cordas depois da derrocada das eleições municipais.

Se não quiser chegar a 2022 como coadjuvante, o PT precisa definir seu candidato ao longo do ano.

O BC vai resistir à pressão da inflação?

As altas nos preços dos alimentos e da energia no final deste ano devem fazer com que a inflação medida pelo IPCA em doze meses ultrapasse a meta entre abril e agosto. Por mais que a tendência vista de hoje seja de uma redução da inflação, os índices acima de 5,5% ao ano vão pressionar o Banco Central a subir a taxa Selic.

O Brasil terá problemas para pagar seus títulos?

Entre janeiro e abril, o Tesouro Nacional terá de quitar ou rolar R$ 643 bilhões em títulos – o equivalente a 15,4% da dívida interna brasileira, num momento em que cresce a desconfiança com a sustentabilidade das contas públicas. Em dezembro, depois da eleição de Biden, o mercado entrou num ritmo otimista que facilitou a rolagem das dívidas, mas nada assegura que esse humor prossiga até a Páscoa.

Paulo Guedes vai aguentar?

O ministro da Economia terminou o ano menor que entrou. Sua personalidade abrasiva gerou desgastes dentro do governo, com ministros como Jair Marinho e Braga Neto, no Congresso e com os bancos. Sua capacidade de mobilizar o mercado foi perdida a tal ponto que na semana passada uma entrevista sua falando sobre uma tentativa de impeachment do presidente teve repercussão nula.

Ministros da Economia fracos são sintoma de um governo disfuncional.

Continua após a publicidade
Publicidade