Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Lin-Manuel Miranda: “Não via tantos papéis para nós, latinos”

O novo rei dos musicais falou a VEJA sobre identidade latina e o impacto da pandemia na Broadway

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 18 jun 2021, 10h22 - Publicado em 18 jun 2021, 06h00

Qual a razão de adaptar uma história tão pessoal para o cinema? Comecei a escrever In the Heights na faculdade, e não via tantos papéis para nós, latinos. Se a representação no teatro musical é ruim, pode ser ainda pior em Hollywood. Estávamos acostumados a pedir menos: “Nos deem só um pouco de dinheiro para fazer nosso pequeno musical latino”. E Jon M. Chu, um diretor incrível, disse: “Não, na verdade esse é um grande musical que fala de pessoas comuns, mas com grandes sonhos”. Ele fez um belo filme.

Qual a importância de se posicionar na questão dos imigrantes? Tem uma música que fiz para In the Heights, lá em 2007, que fala assim: “E a imigração? / Políticos pregam o ódio / O racismo passou de latente a flagrante nesta nação”. Infelizmente, isso foi se tornando cada vez mais verdadeiro, antecipando a administração Trump. Tenho muito orgulho dessa história. É um lembrete de que nós, latinos, estamos aqui, somos a população que cresce mais rápido nos Estados Unidos, e faremos o próximo capítulo da história do país.

As novas adaptações para cinema e streaming ajudam a democratizar os musicais da Broadway? Sim, e estou empolgado com isso. Por anos, ouvia-se que você não pode fazer um filme de um musical porque as pessoas não vão querer mais vê-lo no teatro. Mas a verdade é o inverso disso. O filme pode fazer com que pessoas fiquem animadas em ver a peça ao vivo. Na pandemia, estamos usando o streaming para transmitir tudo o que produzimos.

Qual o tamanho do estrago da pandemia na Broadway? É claro que há muitas perdas. Artistas estão indo para outras áreas, e não vão voltar. Mas tem sido incrível ver como nós nos unimos e achamos maneiras engenhosas de sobreviver, com projetos de financiamento coletivo e outras formas de nos apoiar em um momento tão desafiador. Estou animado para retomar as apresentações, em setembro.

Publicado em VEJA de 23 de junho de 2021, edição nº 2743

Continua após a publicidade
Publicidade