Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Coligação de Sartori (MDB) quer suspender próxima pesquisa Ibope

Eduardo Leite (PSDB) tem vinte pontos de vantagem; governador pediu que eleitores "pesquisem seus corações"

Por Paula Sperb 26 out 2018, 14h31

A coligação do governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (MDB), que tenta uma reeleição inédita no estado, entrou com uma ação na Justiça para suspender a próxima pesquisa Ibope, programada para ser divulgada pela RBS TV, afiliada da Globo, no sábado, 27.

Na última pesquisa, o adversário de Sartori, Eduardo Leite (PSDB), apareceu com vinte pontos de vantagem. Leite tem 60% de intenção dos votos válidos contra 40% de Sartori.

Na manhã desta sexta-feira, 26, o presidente do MDB-RS, Alceu Moreira, falou em coletiva de imprensa que “está colocando em dúvida o resultado da pesquisa eleitoral”.

“A sensação nas ruas é de que o ambiente não era esse [das pesquisas do Ibope], é um ambiente absolutamente alegre e confiante da população”, disse Moreira, justificando a ação. De acordo com ele, a pesquisa “não pode ser publicada porque não é correto de acordo com a legislação”.

Sartori tem feito campanha de apoio irrestrito a Jair Bolsonaro (PSL), conhecido por questionar a credibilidade dos institutos de pesquisa, veículos de comunicação e urnas eletrônicas. No último debate na televisão, Sartori tentou vincular Leite a partidos de esquerda em busca de votos antipetistas.

Na sua página do Facebook, o governador publicou um vídeo nesta manhã pedindo que os eleitores “pesquisem seus corações”.

  • A coligação do governador alega que o Ibope fez a pesquisa em cidades repetidas, onde Leite tem ampla preferência, sem seguir o critério de aleatoriedade. A chapa de Sartori também sustenta que pediu acesso às pesquisas anteriores e só teve acesso parcial. A partir desses dados, formularam o pedido de impugnação do levantamento. Segundo o presidente do partido no estado, uma análise técnica encontrou prolemas no recorte populacional.

    Para Moreira, o Ibope teria manipulado o método “de propósito para produzir um resultado que não é correto com objetivo iminentemente eleitoral”.

    Procurado por VEJA, o Ibope não respondeu até o fechamento da reportagem.

    Continua após a publicidade
    Publicidade