Clique e assine a partir de 8,90/mês
Ricardo Rangel

Mourão tem razão

“Precisa acabar essa história de que as Forças Armadas estão metidas na política”

Por Ricardo Rangel - Atualizado em 30 jul 2020, 18h52 - Publicado em 13 jun 2020, 20h38

“Precisa acabar essa história de que as Forças Armadas estão metidas na política”, afirmou o vice-presidente general Hamilton Mourão, dando declaração política em nome das Forças Armadas.

Mourão acaba de assinar nota (estapafúrdia, por sinal) com declaração política em nome das Forças Armadas.  Junto com ele, dando declaração política em nome das FFAA, assinou o ministro da Defesa, chefe das Forças Armadas, general Fernando Azevedo. Junto com eles, dando declaração política em nome das FFAA, assinou o presidente da República, comandante supremo das Forças Armadas, capitão Jair Bolsonaro.

Na véspera, o general da ativa Luiz Eduardo Ramos deu entrevista aqui na VEJA dando declaração política em nome das FFAA. Aliás, não faz muito tempo que o general Ramos participou, junto com o ministro da Defesa, chefe das Forças Armadas, general Fernando Azevedo, de manifestações políticas. E o general Augusto Heleno, aparentemente falando em nome das FFAA, ameaçou “consequências imprevisíveis” se o Supremo mandasse apreender o celular do presidente.

Mourão, quando era general da ativa e comandava tropa, deu declaração política defendendo — duas vezes — golpe militar contra o governo de então. E, pouco tempo atrás, o general Eduardo Villas Boas, então na ativa e comandante do Exército, deu declaração política ameaçando o Supremo Tribunal Federal.

E o presidente da República, capitão Jair Bolsonaro, comandante supremo das FFAA, vive dando declaração política em nome das Forças Armadas.

Mourão tem razão.

Precisa acabar essa história de as Forças Armadas se meterem em política.

Continua após a publicidade
Publicidade