Clique e assine com até 92% de desconto
ReVEJA Por Blog Vale a pena ler de novo o que saiu nas páginas de VEJA em quase cinco décadas de história

ReVEJA Guilherme Boulos: ‘ativista-celebridade’ em 2014

Pré-candidato à Presidência pelo PSOL era conhecido por ter fortalecido o MTST e por ser figura assídua de programas de TV

Por Redação 22 jun 2018, 07h00

A união dos sem-teto com black blocks era a principal preocupação dos responsáveis pela segurança da Copa do Mundo do Brasil, de acordo com nota de VEJA em 14 de maio de 2014.

Segundo o texto, o Ministério da Justiça havia identificado uma ocupação num terreno ao lado do Itaquerão, que receberia a abertura do evento poucos dias depois. Um dos mentores era Guilherme Boulos, citado pela primeira vez nas páginas da revista, e atualmente é pré-candidato à Presidência pelo PSOL.

Coluna Holofote cita Guilherme Boulos, em 14 de maio de 2014; leia nota na íntegra no Acervo Veja //VEJA

Três meses depois, ele foi personagem de uma reportagem sob o título “Conhaque, mortadela e Boulos”. “Com Guilherme Boulos, os sem-teto passaram a adotar ações de impacto. Quem participa delas ganha, além de sanduíche de mortadela e conhaque Dreher, pontos para entrar no programa de distribuição de casas do governo federal”, relatava o texto.

  • A matéria traçava um perfil de Boulos, da adolescência em bons colégios de São Paulo à militância, cujo trabalho impulsionou o Movimento dos Trabalhadores Sem-teto. Segundo o texto, ele era chamado por seus detratores como “ativista-celebridade”, por ser figura assídua em programas de TV.

    Matéria de VEJA sobre Guilherme Boulos, de 13 de agosto de 2014; leia na íntegra em Acervo VEJA //VEJA

    Em 25 de janeiro do ano passado, a revista noticiou a prisão de Boulos. “O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-teto (MTST), Guilherme Boulos é réu em três ações por depredação de patrimônio e lesão corporal e responde a outros cinco processos na esfera penal, todos sob segredo de Justiça. Com esse histórico, não foi exatamente uma surpresa quando, na semana passada, foi preso mais uma vez pela Polícia Militar durante uma ação de reintegração de posse de um terreno em São Paulo onde viviam 700 famílias”, diz o texto.

    Depois da detenção, a Secretaria de Segurança paulista vazou uma informação falsa de que ele havia disparado um rojão contra um policial. A ação reforçou o discurso de Boulos, de que foi vítima de “prisão política”.

    Matéria de VEJA sobre Guilherme Boulos, de 25 de janeiro de 2017; leia na íntegra em Acervo VEJA //VEJA
    Continua após a publicidade
    Publicidade