Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Sírios pró-Assad atacam embaixadas dos EUA e da França em Damasco

Por Gustavo Chacra, no Estadão: Simpatizantes do presidente sírio, Bashar Assad, invadiram ontem a embaixada americana e atacaram a representação francesa em Damasco. Em resposta, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, endureceu o tom contra o líder sírio, ao afirmar que ele “não é indispensável”, apesar de não pedir a saída dele do cargo. […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 20 Feb 2017, 13h34 - Publicado em 12 Jul 2011, 06h55

Por Gustavo Chacra, no Estadão:
Simpatizantes do presidente sírio, Bashar Assad, invadiram ontem a embaixada americana e atacaram a representação francesa em Damasco. Em resposta, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, endureceu o tom contra o líder sírio, ao afirmar que ele “não é indispensável”, apesar de não pedir a saída dele do cargo.

Na ação de ontem, manifestantes pró-Assad forçaram a segurança, composta por marines no caso dos EUA, a defender as instalações. Não há informações sobre mortos ou feridos. De acordo com o Departamento de Estado, “muros foram pichados, janelas quebradas, frutas e vegetais lançados contra o prédio, alguns manifestantes chegaram ao telhado e câmeras de segurança foram danificadas”.

Os manifestantes estariam irritados com a visita dos embaixadores dos EUA e da França à cidade de Hama na sexta-feira para acompanhar os protestos contra o líder sírio. A cidade – conhecida por ter sido alvo de um massacre lançado por Hafez Assad, pai de Bashar, nos anos 80 – transformou-se no centro dos protestos da oposição e alvo de dura repressão das forças de Damasco.

Os EUA não acusam formalmente os membros regime de organizar os ataques de ontem contra sua embaixada e a da França, mas os responsabilizam por não ter garantido a segurança.

“Condenamos duramente o governo sírio por se recusar a proteger nossa embaixada em Damasco e exigimos compensação pelos danos provocados”, disse comunicado do Departamento de Estado.

Continua após a publicidade

Testemunhas dizem que quatro ônibus com simpatizantes de Assad estacionaram nos arredores da área da embaixada dos EUA. Além disso, segundo o Departamento de Estado, “uma rede de TV síria vinculada ao regime encorajou os manifestantes” a atacar os alvos diplomáticos. No dia anterior, também foram lançados ataques contra a residência oficial do embaixador Robert Ford. Em um Estado policial como a Síria seria difícil uma manifestação contra uma missão estrangeira ocorrer sem que o governo interviesse.

“O objetivo do governo sírio é desviar a atenção”, disse Hillary em entrevista em Washington. Até agora, o governo americano não pediu a remoção de Assad do poder, como fez com Hosni Mubarak, no Egito, e ainda faz com Muamar Kadafi, na Líbia. Segundo a secretária de Estado, o contexto varia de acordo com o país. Aqui

Publicidade