Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rio isola líderes dos bombeiros presos

Na Folha. Nesta segunda, escreverei a respeito: O governo do Rio isolou os líderes dos bombeiros grevistas e improvisou um espaço para mantê-los presos. Cerca de dez oficiais e lideranças do movimento foram separados do grupo de 439 presos e levados para o Grupamento Especial de Policiamento, em São Cristóvão (zona norte do Rio). Os […]

Na Folha. Nesta segunda, escreverei a respeito:
O governo do Rio isolou os líderes dos bombeiros grevistas e improvisou um espaço para mantê-los presos. Cerca de dez oficiais e lideranças do movimento foram separados do grupo de 439 presos e levados para o Grupamento Especial de Policiamento, em São Cristóvão (zona norte do Rio). Os outros manifestantes presos, após a invasão do Quartel Central da corporação sexta-feira à noite, foram recebidos como heróis no quartel de Jurujuba, em Niterói, transformado em presídio improvisado. “Agora, eles estão em casa, sendo tratados por colegas simpatizantes da causa”, afirmou o advogado José Ricardo de Assis, que defende quatro oficiais presos.

Um bombeiro que estava de plantão na chegada dos presos, ontem, disse que eles foram recebidos com aplausos e palavras de incentivo. A solidariedade dos demais membros da corporação preocupa o governo. Ontem, o novo comandante-geral dos Bombeiros, coronel Sérgio Simões, se reuniu com comandantes dos quartéis. Em nota, o governador Sergio Cabral (PMDB) disse que os 17 mil bombeiros “orgulham o Estado” e que os que “são leais à premissa do salvamento têm e merecem do governo do Rio o diálogo”. Cabral afirmou que os invasores cometeram “um gesto de imensa irresponsabilidade” ao invadir o quartel levando crianças e marretas. A categoria quer o aumento do piso salarial de R$ 950 para R$ 2 mil. No sábado, Cabral disse que até o final do ano o pleito será atendido.

DEPOIMENTOS
A Folha entrevistou, por celular, três dos detidos: o subtenente reformado Jorge Antonio de Freitas, 55, um sargento da ativa e um cabo que afirmou ser do serviço reservado da corporação. Os dois primeiros disseram que faltou comida para os presos sábado e que eles passaram a noite em um micro-ônibus. O terceiro contou que fora escalado para se infiltrar entre os manifestantes. “Meu comandante tentou me soltar, mas disseram que lá quem manda era o corregedor. Estou preso até agora.”

Os manifestantes podem ser indiciados por motim, danos ao patrimônio público e por impedir a saída de unidades de socorro. Cerca de 300 bombeiros e familiares acamparam ontem nas escadarias da Assembleia Legislativa em protesto à prisão do grupo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s