Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O melhor a fazer é ignorar

Deixem que lhes diga uma coisa: vocês certamente repararam que os comentários que fazem referência aos blogueiros de aluguel são cortados, certo? Se alguém vem aqui atacar o Blogueiro Pançudo, corto. Se é contra o Blogueiro Pintor de Rodapé, corto. Se é para dar um pau no Blogueiro da Mão Peluda, corto. Se é para […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h20 - Publicado em 24 set 2013, 07h05

Deixem que lhes diga uma coisa: vocês certamente repararam que os comentários que fazem referência aos blogueiros de aluguel são cortados, certo? Se alguém vem aqui atacar o Blogueiro Pançudo, corto. Se é contra o Blogueiro Pintor de Rodapé, corto. Se é para dar um pau no Blogueiro da Mão Peluda, corto. Se é para desqualificar a quadrilha do 171, corto. Sobre outros ainda menos frequentados, que disputam um lugar no monturo, que transitam na periferia da escória, corto também. Não só não me interessam suas verdades oficiais — o PT e o governo contratam a peso de ouro a assessoria de empresas especializadas — como me interessam ainda menos suas mentiras, suas vilanias, suas baixarias, sua grossura, sua estupidez, sua ignorância.

Que tipo de vida prospera no esgoto? Assim, meus caros, não percam tempo tentando desancar este ou aquele na área de comentários deste blog. Sim, se tiverem notícia de alguma barbaridade, como o texto a meu ver criminoso publicado contra Joaquim Barbosa, acho que vale o alerta. Como viram, escrevi respeito. Por minha própria conta, não teria descoberto.

Vocês sabem que é assim há muito tempo. Eles que existam lá para a turma deles. Aqui, não existem. “Ah, mas eles vivem falando de você e abrem suas respectivas páginas de comentários para que o ataquem…” Eu sei. Eles são regiamente remunerados para isso — não sou o único alvo. Mas o que se faz aqui é outra coisa. Eu lhes recomendo que invistam na própria sanidade. Nem se trata de afirmar que são a versão degenerada do jornalismo. Nada disso! Também não são a face pervertida da assessoria de imprensa, que é uma função digna, exercida, muitas vezes, por profissionais de alto gabarito. O que fazem é exercitar a pistolagem por outros meios.

Publicidade