Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Lula precisa dar um pito na inflação!

Não contem pra Lula porque ele dirá que isso é coisa dos “profetas do caos”. Mas o fato é que a inflação em 12 meses já estourou a meta, conforme vocês viram desde cedo. Fica aqui o registro. Inflação atinge 6,51% em 12 meses e supera meta do governo Por Pedro Soares, na Folha Online: […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h04 - Publicado em 6 Maio 2011, 18h11

Não contem pra Lula porque ele dirá que isso é coisa dos “profetas do caos”. Mas o fato é que a inflação em 12 meses já estourou a meta, conforme vocês viram desde cedo. Fica aqui o registro.

Inflação atinge 6,51% em 12 meses e supera meta do governo

Por Pedro Soares, na Folha Online:
O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) registrou variação de 6,51% no acumulado dos últimos 12 meses, segundo pesquisa divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse resultado é superior ao centro da meta do governo, de 4,5%, e acima do teto, que prevê dois pontos de tolerância (6,5%). A inflação acumulada nos últimos 12 meses é a mais alta desde julho de 2005, quando os preços subiram 6,57%.

O ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que o resultado do IPCA de abril mostra que a inflação no Brasil já está desacelerando. Segundo ele, o indicador de abril já apresenta uma queda e está abaixo das expectativas do mercado.

Em abril, o IPCA –índice oficial de inflação do país e baliza o regime de metas do governo– registrou alta de 0,77%, praticamente estável em relação a março, quando a variação foi de 0,79%. É a maior alta mensal desde abril de 2005 (0,87%). Em abril de 2010, a taxa havia ficado em 0,57%. No acumulado do ano, o índice ficou em 3,23%. A inflação é umas principais preocupações do governo que vem tomando medidas para conter o consumo (como elevar o custo do crédito e a taxa básica de juros, a Selic ).

Transportes
Pressionados pela entressafra e a menor oferta de álcool, os combustíveis foram os vilões da inflação em abril e impediram uma desaceleração significativa do IPCA. Sozinhos gasolina e etanol representaram 39% da variação do IPCA em abril, de 0,77%.

O etanol subiu 11,20% em abril e já acumula alta de 31,20% no ano. Já a gasolina, que sobe no embalo da sua mistura em 25% com o biocombustível e da demanda aquecida, teve alta de 6,26% em abril –no ano, a variação chega a 9,58%. Em abril, os maiores preços médios da gasolina em foram registrados em Goiás (2,40%), Distrito Federal (R$ 2,90) e Rio de Janeiro (R$ 2,89). Em São Paulo, ficaram em R$ 2,73. A disparada dos preços dos combustíveis praticamente anulou a desaceleração dos alimentos, cuja taxa cedeu de 0,75% em março para 0,58% em abril.

Continua após a publicidade
Publicidade