Clique e assine com até 92% de desconto
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Defesa que Dilma faz da CPMF espanca a língua e a história

Presidente volta a defender imposto, apelando ao dilmês castiço, uma língua que torna até o estelionato eleitoral pior do que é

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 23h42 - Publicado em 15 jan 2016, 17h17

 

 

A presidente Dilma reiterou, no café da manhã, a disposição de contrariar mais uma promessa de campanha. Voltou a defender o retorno da CPMF para reequilibrar as contas do país. Em dilmês castiço, a presidente afirmou o seguinte: “Equilibrar o Brasil num quadro em que há queda de atividade implica necessariamente, a não ser que nós façamos uma fala demagógica, ampliar impostos. Eu estou me referindo à CPMF. Acho que é fundamental para o país sair mais rápido da crise aprovar a CPMF, que é um imposto que se dissolve, se espalha por todos, de baixa intensidade, ao mesmo tempo em que permite controle de evasão fiscal e ao mesmo tempo faz outra coisa, que é muito importante: tem um impacto pequeno na inflação, porque ele é dissolvido se você considerar os demais impactos”.

Sim, leitores, é incompreensível. Vamos trocar o trololó por duas palavras: “estelionato eleitoral”.

Continua após a publicidade
Publicidade