Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Cuidado! Imprensa trabalhando. Ou: Da burrice alastrante

Há três dias setores da imprensa vêm massacrando a verdade de forma vergonhosa, escandalosa, vexaminosa, noticiando não o fato, mas uma leitura dele, marcada pelo preconceito ideológico evidente, escancarado, debochado. Aquele que já foi um lugar do pensamento, do confronto de idéias, do novo, abriga hoje o servilismo ousado, a ignorância rombuda, a desinformação canhestra. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h16 - Publicado em 15 abr 2011, 06h33

Há três dias setores da imprensa vêm massacrando a verdade de forma vergonhosa, escandalosa, vexaminosa, noticiando não o fato, mas uma leitura dele, marcada pelo preconceito ideológico evidente, escancarado, debochado. Aquele que já foi um lugar do pensamento, do confronto de idéias, do novo, abriga hoje o servilismo ousado, a ignorância rombuda, a desinformação canhestra. Ai daquele que ousar apresentar alguma alternativa aos valores triunfantes! Tentarão calá-lo, esmagá-lo, ridicularizá-lo, sem nem mesmo ler o que escreveu.

Trata-se de uma canalhice jornalística, intelectual e moral afirmar que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pregou que o PSDB “desista do povão” ou se “afaste do povão”. Usar o que escreveu para acusá-lo de demofobia é coisa de vigaristas, de demagogos, de reacionários a serviço do poder. Será que critico a imprensa, também eu, como o PT costuma fazer? Já chego lá!

Nunca será demais voltar ao texto de FHC:
Enquanto o PSDB e seus aliados persistirem em disputar com o PT influência sobre os “movimentos sociais” ou o “povão”, isto é, sobre as massas carentes e pouco informadas, falarão sozinhos. Isto porque o governo “aparelhou”, cooptou com benesses e recursos as principais centrais sindicais e os movimentos organizados da sociedade civil e dispõe de mecanismos de concessão de benesses às massas carentes mais eficazes do que a palavra dos oposicionistas, além da influência que exerce na mídia com as verbas publicitárias.

Qual é o centro da informação? Por que diz o ex-presidente que é inútil entrar na tal disputa? Porque os petistas aparelharam esses movimentos sociais e esses sindicatos, que representam não a sociedade no seu conjunto, mas setores dela. Isso, sim, deveria ser matéria de debate. O parágrafo prepara o que vem depois: há milhões de brasileiros que não participam da vida partidária; há uma gigantesca classe média, que emergiu com o Plano Real — sim!!! — que precisa ser despertada para a política. Os meus leitores habituais sabem que defendi essa tese num artigo de quatro páginas publicado na VEJA em dezembro do ano passado. O “povão”, que vai no texto de FHC entre aspas — como entre aspas está a expressão “movimentos sociais” — é um forma sutil de se referir ao objeto de análise segundo os olhos do adversário. Mas esperar sutileza ou alfabetização de quem???

Estamos lidando aqui com categorias que requerem um pouco mais do que o “juvenilismo” estúpido, desinformado, militante, que aprendeu — como se houvesse aprendizado aí — que a palavra “povão” é, em si, um valor. As múltiplas teses que há no longo artigo — e não concordo com todas, não, mas cada coisa a seu tempo — foram tragadas pela voragem da estupidez.

Se pretendem que um texto escrito pelo único ex-presidente que venceu duas eleições presidenciais no primeiro turno (ainda que tivesse sido apenas uma, seria o único do mesmo jeito), pelo presidente de honra de um partido de oposição, por um sociólogo mundialmente respeitado pela qualidade do seu trabalho acadêmico, se pretendem, em suma, que esse texto não mereça consideração, reflexão, debate político, muito bem! É uma decisão cretina, que evidencia um alinhamento óbvio com as forças do governismo, mas AINDA NÃO É MENTIRA. Atribuir-lhe o que não disse é depredação do pensamento. Já não nos basta o fato de termos uma academia que, com honrosas exceções, funciona hoje como um braço de um partido político?

Críticas à imprensa
Sim, eu faço críticas ao que considero ruim da imprensa, mas as minhas são muito diferente daquelas que faz o PT, o partido do coração dessa turma que se finge de analfabeta funcional para que possa ser analfabeta moral com mais desenvoltura.

Continua após a publicidade

Eu não quero censurar ninguém. Eu não quero criar conselho de vagabundos para monitorar o que os outros dizem. Eu não quero criar uma polícia estatal do pensamento para dizer o que pode e o que não pode ser publicado. A minha crítica é aberta. Os petistas sonham noite e dia em censurar a imprensa. Eu torço para que a imprensa se livre da censura:
– da censura do politicamente correto;
– da censura praticada pelas pessoas boazinhas que “amam” o “povão”;
– da censura oblíqua aplicada por um partido político;
– da censura à inteligência;
– da censura à divergência;
– da censura à verdade.

E não acho que o estado, com este governo ou com outro,tenha competência para fazer esse trabalho. O que se fez e se vem fazendo com esse texto de FHC é um crime intelectual. Covardes, uma boa parcela dos oposicionistas resolveu, como direi?, “puxar o saco” do “povão”, contribuindo para que a distorção avançasse e ganhasse corpo. Se tudo der certo, ainda acaba se confundindo com a verdade. Assim como se tem hoje como inquestionável que foi Lula quem criou os programas sociais e quem estabilizou a economia.

Não por acaso, lá de Londres, onde foi pegar uma grana da Telefonica —  que, por vontade (pretérita) do Apedeuta jamais estaria no Brasil —, Lula resolveu exercer a sua “demofilia”, em consonância com o discurso exercitado por setores da imprensa aqui no Brasil. É um caso de formação de quadrilha intelectual, moral e ética. Como não poderia deixar de ser, mais um vez, o Ignorante Soberbo exerceu o seu preconceito contra aqueles que estudam. E ninguém vai reclamar porque se considera inaceitável que um intelectual aponte a estupidez de um estúpido, mas se está diante de uma verdadeira obra de arte quando o estúpido estupidifica o que diz o intelectual.

Alguns leitores me perguntam o que fazer diante de casos assim. Não tenho a receita, não! Eu sei o que eu faço: aponto o que me desagrada e busco, como qualquer leitor, fontes de informação que me respeitam — há certos horrores que tenho de experimentar porque, afinal, tenho a profissão que tenho.

Nunca antes na história destepaiz
Leio regularmente jornais desde os 14 anos, que foi quando comecei a me interessar por questões públicas. Depois de algum tempo — e porque, afinal, eu pertencia a um grupo que fazia política —, já sabia identificar o que era uma distorção ditada, então, por um regime de exceção. Vivi com grande entusiasmo a abertura política e o começo dos anos 1980, que foram bons, acreditem!, no jornalismo. Havia ousadia, inteligência, inconformismo — até de militantes políticos e ex-militantes que estavam nas redações.

Esse grau de boçalidade de hoje? Nunca vi! E não que eu seja do tipo saudosista. Ocorre que há aí um problema geracional, entendem? Estou com 49 anos. Tive muitos professores de esquerda. Gostava bastante de alguns, e há gente de quem gosto ainda hoje. Mas eu não fiz parte da geração que foi educada pelo petismo, que é um tipo muito particular de esquerdismo. Tive professores marxistas — alguns muito sérios dentro do pensamento que escolheram. Ocorre que o petismo está para o marxismo como essas seitas neopentecostais — as sérias, por favor, não reclamem; falo das vigaristas; daquelas mais novas do que o uísque eu bebo — estão para o cristianismo. Se você pedir a um petista que explique o que é luta de classes, ele não conseguirá ir além de um arranca-rabo. Se você lhe pedir que explique o que é “materialismo histórico” — não que seja grande coisa —, ele vai dizer que é o mesmo que não acreditar em Deus. É o triunfo da boçalidade.

Essa gente que destrói gerações nas faculdades de humanas e de comunicação comete um crime intelectual até contra a própria esquerda: o “fetichização” do povo ou do “povão”. Esses vagabundos nunca leram Marx — e alguém poderá dizer que não perderam grande coisa. Vá lá. O problema é que leram, no máximo, os discursos de Lula. Então não há esperanças? Sempre há aqueles que conseguem escapar desse cerco.

O mal que essa gente fez à inteligência começa a render frutos. Nem tanto lhes lastimo o esquerdismo — que não há nada de novo nisso! O problema é sua alastrante burrice a serviço de uma causa.

Continua após a publicidade
Publicidade