Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A democracia de Dilma e Guido Mantega – Agnelli deixa Vale com lucro de R$ 11,3 bilhões

Por Pedro Soares, na Folha: Os altos preços do minério de ferro e do níquel e a conclusão da venda de ativos de alumínio à norueguesa Norsk Hydro asseguram à Vale mais um lucro recorde. A companhia ganhou R$ 11,291 bilhões nos três primeiros meses de 2011 -alta de 12,9% ante o quarto trimestre de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h04 - Publicado em 6 Maio 2011, 07h19

Por Pedro Soares, na Folha:
Os altos preços do minério de ferro e do níquel e a conclusão da venda de ativos de alumínio à norueguesa Norsk Hydro asseguram à Vale mais um lucro recorde. A companhia ganhou R$ 11,291 bilhões nos três primeiros meses de 2011 -alta de 12,9% ante o quarto trimestre de 2010 e de 292% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. De janeiro a março, o faturamento alcançou R$ 23,6 bilhões -queda de 12,6% ante o quarto trimestre. Mas é recorde para o primeiro trimestre -avanço de 81% ante igual período de 2010.

Segundo analistas, a Vale obteve um bom desempenho mesmo com o lucro extraordinário gerado pela transação de US$ 5,9 bilhões com a Norsk Hydro. A companhia conseguiu elevar suas vendas de minério de ferro, em volume, em 2,7% ante o primeiro trimestre de 2010, apesar das excessivas chuvas que pararam o escoamento do minério de Carajás (PA). Ontem, Roger Agnelli, que será substituído na direção da Vale por Murilo Ferreira, disse que governo e empresa têm “missões” e “prazos” diferentes. Mas afirmou “entender” a posição do ex-presidente Lula de cobrar mais compras no país -o que nem sempre, diz, é possível, dado o custo alto em alguns casos.

“Cada um tem uma visão e uma missão. A missão da companhia é gerar os resultados para ela poder gerar capacidade e investimentos. A missão do governo é diferente da de uma empresa. Completamente diferente.” O executivo deixa o cargo no dia 21, desgastado com o governo petista, que pressionou por sua saída. Aqui

Publicidade