Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STF julga se Jacob Barata pode ter acesso à delação de Lúcio Funaro

'Rei do Ônibus' briga para saber o que o doleiro falou no acordo fechado com o MPF em 2017

Por Mariana Muniz - Atualizado em 18 fev 2020, 11h42 - Publicado em 18 fev 2020, 11h41

Está na pauta da Segunda Turma do Supremo desta terça-feira o pedido do empresário Jacob Barata Filho – acusado de irregularidades no sistema de transporte do Rio de Janeiro – para ter acesso ao acordo de colaboração premiada fechado entre o doleiro Lúcio Funaro e o MPF, ainda em 2017.

Em um dos anexos da delação entregue ao MPF, Funaro teria dito que, a pedido do ex-deputado Eduardo Cunha, operou um pagamento de 5 milhões de francos suíços de Jacob Barata Filho a Jorge Picciani, então presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

O pedido de Barata, o “Rei do ônibus”, estava sendo analisado no plenário virtual e foi negado pelo relator do processo, ministro Edson Fachin. Mas o ministro Gilmar Mendes pediu destaque e o caso agora vai ser discutido presencialmente.

Publicidade