Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sob Weintraub, Educação mergulha em apagão programático

Weintraub ataca o STF, acha que o governo conversa com quem deveria lutar, só não diz o que faz objetivamente na pasta que deveria administrar

Por Robson Bonin Atualizado em 1 jun 2020, 16h57 - Publicado em 1 jun 2020, 08h30

Abraham Weintraub quer prender ministros do Supremo. Weintraub quer acabar “com essa porcaria que é Brasília”. Ele acha que o governo conversa com quem deveria lutar. “Não quero ser escravo nesse país… A gente tá perdendo a luta pela liberdade”, diz o ministro da educação.

Na famosa reunião de 22 de abril, depois dessas falas, o ministro da Educação descobriu algo relevante ao olhar para os outros colegas ministros. “Eu percebo que tem muita gente com agenda própria”, disse, em tom crítico.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

O ministro da Educação não percebeu que ele também deveria ter agenda própria, cuidar da Educação, colocar para rodar o setor mais importante do país.

Em condições normais, a Educação já sofre para se aprimorada e para chegar a todos os brasileiros, imagine numa pandemia e com tamanho desgoverno. “Eu percebo que tem, assim, tem o jogo que é jogado aqui, mas eu não vim pra jogar o jogo”, avisa.

O ministro da Educação não atua na sua pasta. No próximo dia 10, como mostrou O Globo, os mandatos de 12 dos 24 conselheiros do Conselho Nacional da Educação, que tem um papel importante na formatação do modelo educacional, encerram seus mandatos. O ministro, no entanto, está ocupado no papel de influencer bolsonarista.

Hoje, mesmo que aparecesse com a melhor agenda dos últimos tempos para o setor, o Congresso não lhe daria ouvidos. Essa falta de credibilidade e de interlocução política são motivos mais do que suficientes para que o presidente demita Weintraub. O ministro, no entanto, seguirá firme.

 

Continua após a publicidade
Publicidade