Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Programa de trainee para negros une o PIB contra o racismo estrutural

Entidade que reúne 35 gigantes do empresariado nacional e internacional decide se posicionar em defesa do projeto do Magazine Luiza

Por Robson Bonin - Atualizado em 22 set 2020, 12h52 - Publicado em 22 set 2020, 12h28

A Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial, grupo formado por 35 gigantes do empresariado brasileiro, vai sair em defesa do Magazine Luiza nessa discussão do programa de trainee para negros, alvo de ataques nas redes e do velho racismo estrutural.

“Nós somos um grupo e temos uma causa, logo como não poderia deixar de ser, apoiaremos publicamente enquanto Iniciativa empresarial nosso membro Magalu. É um momento de transformação e posicionamento”, diz um comunicado interno distribuído aos membros do grupo por Raphael Vicente, coordenador da Iniciativa empresarial pela igualdade.

ASSINE VEJA

A vez das escolas Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’
Clique e Assine

O objetivo do grupo é “parabenizar, incentivar e demonstrar apoio a Magalu pela iniciativa de criar um grupo de trainees contemplando especialmente jovens negros”.

“A ação do Magazine Luiza é um salto objetivo e concreto, produzindo uma intervenção pioneira e de vanguarda no combate ao racismo estrutural, promovendo e fortalecendo a diversidade e igualdade de oportunidades, no ambiente empresarial. Além de construir um novo paradigma nesse tema, irá pautar, desafiar e estimular todo o ambiente corporativo a sair do seu casulo de imobilismo e construir ações inovadoras e concretas para superar o verdadeiro estado de apartheid racial presente nos postos gerenciais e executivos das empresas nacionais e multinacionais do país”, segue o texto.

O posicionamento também é tratado pela entidade como um “gesto de apreço e consideração aos negros brasileiros, um esforço republicano de fortalecimento da democracia, combate às desigualdades e, sobretudo, valorização da dignidade humana”.

“É digno de reconhecimento, aplauso e defesa por todos os brasileiros. Queremos construir e respirar o ar de um país em que todos tenham iguais oportunidades, independente da sua raça ou cor de pele. Somos todos Magalu!”, conclui o texto.

Continua após a publicidade
Publicidade