Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O ‘não’ e a revolta

A decisão de Kátia Abreu de permanecer no PSD não encerrou os cortejos por parte do PMDB e elevou a temperatura na bancada do partido na Câmara. Hoje à tarde, depois de uma reunião entre Michel Temer, Henrique Eduardo Alves, Valdir Raupp, Eduardo Cunha e Renan Calheiros, o PMDB decidiu dar a última cartada para […]

Por Da Redação - Atualizado em 31 jul 2020, 05h19 - Publicado em 25 set 2013, 22h24

Em rota de colisão com correligionários

A decisão de Kátia Abreu de permanecer no PSD não encerrou os cortejos por parte do PMDB e elevou a temperatura na bancada do partido na Câmara.

Hoje à tarde, depois de uma reunião entre Michel Temer, Henrique Eduardo Alves, Valdir Raupp, Eduardo Cunha e Renan Calheiros, o PMDB decidiu dar a última cartada para convencê-la a abandonar Gilberto Kassab. Kátia, mais uma vez, agradeceu e disse ‘não’.

A insistência para tentar levá-la ao PMDB nunca desceu na goela da turma que comanda o partido na Câmara, embora publicamente Eduardo Cunha diga não ser contra nem a favor da filiação de Kátia.

Lúcio Vieira Lima resolveu chutar o balde na direção de seus correligionários:

– A cúpula do PMDB está de brincadeira. Trazer Kátia Abreu não agrega nem um segundo de tempo de televisão. Mas se Junior Coimbra (desafeto de Kátia e presidente do PMDB no Tocantins) sair para um dos partidos novos, ele leva tempo de TV. Ou seja, sob pretexto do projeto nacional, quem manda no PMDB está prejudicando muito o partido nos estados.

Continua após a publicidade
Publicidade