Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Nasce um poeta

Nos dois últimos meses, Michel Temer, vice-presidente da República, manteve uma agenda secreta permanente: acompanhou a produção de Anônima Intimidade (Topbooks, 166 páginas), que chegará às livrarias em meados de janeiro e no qual exercita sua veia poética. O livro foi escrito nos últimos anos em guardanapos de papel que o discreto Temer recolhia nos […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 07h12 - Publicado em 15 dez 2012, 06h37

Temer: poemas escritos em guardanapos de papel nos voos entre Brasília e São Paulo

Nos dois últimos meses, Michel Temer, vice-presidente da República, manteve uma agenda secreta permanente: acompanhou a produção de Anônima Intimidade (Topbooks, 166 páginas), que chegará às livrarias em meados de janeiro e no qual exercita sua veia poética.

O livro foi escrito nos últimos anos em guardanapos de papel que o discreto Temer recolhia nos voos Brasília/São Paulo.

São 121 poemas, em geral curtos, onde política não entra.

Há espaço para melancolia (Acumulam-se/Em mim/Séculos de dor), versos de amor (Assim/Louco/Vou a procura/De ti/Do teu querer/Do amor/Da entrega/ No ato/E fora dele/Desatino-me…) e toques mais apimentados (Dança/Requebra/Solta seu corpo/Rebola/Mexe cada músculo).

Um dos poemas, com apenas dois versos, se não foi feito em homenagem a Lula, parece urdido sob medida: “Eu não sabia/Eu juro que não sabia!”

Continua após a publicidade
Publicidade