Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pazuello será cobrado a entregar nomes de envolvidos no caos da Saúde

Senadores vão explorar o fato de o ex-ministro Pazuello não poder mentir nem omitir da CPI informações sobre terceiros que atuaram com ele no ministério

Por Robson Bonin Atualizado em 19 Maio 2021, 09h16 - Publicado em 19 Maio 2021, 06h02

Eduardo Pazuello é visto pelos senadores da CPI da Pandemia como um importante personagem em toda a desastrosa caminhada do governo de Jair Bolsonaro na pandemia.

Deixado na chuva pelo presidente, após cair do Ministério da Saúde, o general também tornou-se figura rejeitada por setores importantes do Exército, onde fez sua carreira.

Pazuello é, no entanto, um arquivo vivo da atuação pessoal de Bolsonaro nessa história toda. Só ele sabe que ordens recebeu do presidente e no que elas resultaram no governo.

Cientes de que o general estará protegido por um habeas corpus do STF, os senadores vão levar Pazuello para a arena do potencial “delator”.

Como o ex-ministro não pode mentir nem ocultar informações sobre terceiros, o relator Renan Calheiros será objetivo na busca de informações que incluam outros personagens na trama.

Pazuello será instado a detalhar episódios, datas e nomes de envolvidos em atos da Saúde durante a pandemia.

Como o Radar mostrou nesta terça, o ex-ministro disse a aliados que pretende surgir na CPI com a farda do Exército. Pazuello dispensou ajuda de aliados do governo para treinar respostas aos senadores. Ficou apenas com seu advogado pessoal, aquele que não é controlado pelos interesses diretos do Planalto.

 

Continua após a publicidade
Publicidade