Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mensalão do DEM

Os procuradores que atuam nos processos resultantes do desdobramento do mensalão do DEM, que tramitam na Justiça Federal, estão tendo dificuldades para receber a quebra dos sigilos bancários dos investigados. Apesar da quebra ter sido determinada pela Justiça, os bancos simplesmente não enviam os documentos. Depois de pedir ajuda ao Banco Central, que deu de […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 07h25 - Publicado em 14 nov 2012, 13h29

Quebra de sigilo

Os procuradores que atuam nos processos resultantes do desdobramento do mensalão do DEM, que tramitam na Justiça Federal, estão tendo dificuldades para receber a quebra dos sigilos bancários dos investigados.

Apesar da quebra ter sido determinada pela Justiça, os bancos simplesmente não enviam os documentos.

Depois de pedir ajuda ao Banco Central, que deu de ombros para o problema (Leia mais em Sem ajuda), o Ministério Público enviou, na segunda-feira, uma nova petição à Justiça.

Quer que os presidentes dos bancos em que os mensaleiros detêm contas sejam pessoalmente notificados sobre a necessidade do envio das quebras de sigilo para o MP, sob o risco do crime de desobediência.

Com isso, nos próximos dias, bancos como Itaú, Santander, BRB, além de outras instituições menores, devem receber a visita de oficiais de Justiça, que vão notificar os presidentes sobre a necessidade de entrega dos sigilos.

Continua após a publicidade
Publicidade