Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governadores divulgam carta com ‘verdades’ sobre o preço dos combustíveis

Sem citar Bolsonaro, mandatários de 19 estados e do DF rebatem acusações do presidente e culpam a Petrobras por seguidos reajustes nas bombas

Por Lucas Vettorazzo, Gustavo Maia Atualizado em 20 set 2021, 10h52 - Publicado em 20 set 2021, 10h46

Governadores de 19 estados e mais o Distrito Federal divulgaram carta neste domingo em que rebatem a narrativa governista de que as altas recentes do preço da gasolina, do diesel e do gás natural são decorrentes do aumento de impostos estaduais, mais precisamente o ICMS. 

O presidente Jair Bolsonaro, seus funcionários e aliados têm responsabilizado os governadores pela alta vertiginosa no preço dos combustíveis, que pressiona a inflação e torna mais difícil a vida do brasileiro. 

O elevado preço é resultado de uma política da Petrobras em que a petroleira passa a fazer reajustes com base nas oscilações do barril de petróleo no mercado internacional. 

Segundo a carta divulgada pelos governadores, uma prova simples de que Bolsonaro tenta inverter a narrativa e reduzir a responsabilidade de seu governo sobre a alta dos preços é que o ICMS que incide sobre combustíveis não teve qualquer aumento em nenhum estado brasileiro nos últimos 12 meses, enquanto o preço cobrado à população aumentou 40% no período.

“Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema”, diz a carta. 

A missiva é assinada por pelo menos três governadores que são aliados de Jair Bolsonaro: Cláudio Castro (RJ), Romeu Zema (MG) e Ibaneis Rocha (DF). Além deles, assinam governadores da oposição como Flávio Dino (MA), Renan Filho (AL) e João Doria (SP). 

Continua após a publicidade

Aliados do presidente, sete governadores não assinaram o documento. São eles: Ratinho Júnior (Paraná), Carlos Moisés (Santa Catarina), Wilson Lima (Amazonas), Marcos Rocha (Rondônia), Antônio Denarium (Roraima), Gladson Cameli (Acre) e Mauro Carlesse (Tocantins).

Leia abaixo a íntegra da nota e seus signatários:

NOTA DOS GOVERNADORES SOBRE O PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS
Os governadores dos entes federados brasileiros signatários vêm a público esclarecer que, nos últimos 12 meses, o preço da gasolina registrou um aumento superior a 40%, embora nenhum Estado tenha aumentado o ICMS incidente sobre os combustíveis ao longo desse período. Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema.

Brasília, 19 de setembro de 2021.

Assinam esta nota:

RUI COSTA, Governador do Estado da Bahia
CLÁUDIO CASTRO, Governador do Estado do Rio de Janeiro
FLÁVIO DINO, Governador do Estado do Maranhão
HELDER BARBALHO, Governador do Estado do Pará
PAULO CÂMARA, Governador do Estado de Pernambuco
JOÃO DORIA, Governador do Estado de São Paulo
ROMEU ZEMA, Governador do Estado de Minas Gerais
RONALDO CAIADO, Governador do Estado de Goiás
MAURO MENDES, Governador do Estado de Mato Grosso
EDUARDO LEITE, Governador do Estado do Rio Grande do Sul
CAMILO SANTANA, Governador do Estado do Ceará
JOÃO AZEVÊDO, Governador do Estado da Paraíba
RENATO CASAGRANDE, Governador do Estado do Espírito Santo
WELLINGTON DIAS, Governador do Estado do Piauí
FÁTIMA BEZERRA, Governadora do Estado do Rio Grande do Norte
RENAN FILHO, Governador do Estado de Alagoas
BELIVALDO CHAGAS, Governador do Estado de Sergipe
REINALDO AZAMBUJA, Governador do Estado de Mato Grosso do Sul
IBANEIS ROCHA, Governador do Distrito Federal
WALDEZ GÓES, Governador do Estado do Amapá

Continua após a publicidade
Publicidade