Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Depoimento de chefe de Dominguetti deve encerrar primeira temporada da CPI

Cristiano Carvalho é representante da Davati Medical Supply no Brasil

Por Gustavo Maia Atualizado em 15 jul 2021, 10h20 - Publicado em 15 jul 2021, 08h30

Oficialmente prorrogada por mais 90 dias na noite desta quarta-feira, a CPI da Pandemia deverá ter nesta quinta o último ato antes do recesso parlamentar com um depoimento digno de final da primeira temporada da comissão.

Os senadores vão interrogar o representante da Davati Medical Supply no Brasil, Cristiano Carvalho, que era uma espécie de “chefe” do policial militar Luiz Paulo Dominguetti, o vendedor das 400 milhões vacinas da AstraZeneca oferecidas ao governo brasileiro.

Dominguetti depôs no dia 1º, quando teve o seu celular apreendido por decisão da comissão. Desde então, cada troca de mensagens do PM que atuava em nome da Davati foi escrutinada, inclusive as conversas com Cristiano.

LEIA TAMBÉM: CPI pedirá contrato de intermediação da Precisa com a Bharat Biotech

Segundo Dominguetti, foi Cristiano quem o convenceu a dar a entrevista à Folha em que ele revelou a suposta cobrança de propina do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, que também já depôs no Senado.

Continua após a publicidade

Foi Cristiano que enviou a Dominguetti o áudio em que o deputado federal Luiz Miranda, que denunciou um possível esquema de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin, falava sobre uma transação comercial. O PM exibiu a gravação na CPI e deu a entender que ele também negociava a venda de vacinas, quando, no caso, ele falava de luvas. Durante a confusão, o CEO da Davati no Brasil enviou mensagem para esclarecer e dizer que ele não falava de imunizantes. Mas o estrago já tinha sido feito.

Também foi com Cristiano que o policial conversou sobre a possível participação do presidente Jair Bolsonaro na negociação, através da intermediação do reverendo Amilton Gomes de Paula, também convocado para a comissão.

+ ‘Reverendo chegou na Presidência’, diz Dominguetti após citar Michelle

O recesso deve começar cumprido por conta da votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias, a LDO, marcada pelo presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco, para esta quinta-feira. A comissão só deve retornar para a segunda temporada, de mais três meses, em agosto.

Mas, antes, os membros da CPI devem também votar nesta quinta dezenas de requerimentos de informação e outras providências para o funcionamento da comissão.

Continua após a publicidade
Publicidade