Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Abrasel diz que decisão do STF é ‘tiro mortal’ contra bares e restaurantes

Supremo decidiu que os acordos de redução de salário e jornada de funcionários de empresas só terão validade após a manifestação de sindicatos

Por Mariana Muniz - Atualizado em 6 abr 2020, 21h41 - Publicado em 6 abr 2020, 20h49

A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski de que os acordos individuais de redução de salário e jornada de funcionários de empresas privadas apenas terão validade após a manifestação de sindicatos não foi bem recebida por setores do empresariado brasileiro, que falam em “tiro mortal”. 

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, disse, por meio de nota, que a única ajuda efetiva do governo para a categoria é a MP dos Salários. 

“A decisão monocrática do ministro Ricardo Lewandowski de exigir que a MP 936 deva passar pelo crivo dos sindicatos pode se transformar em um tiro mortal para um dos setores mais afetados pela crise, o de bares e restaurantes. Até o momento, a única ajuda efetiva para o setor era a MP dos Salários, que oferecia alguma esperança para mais de 3 milhões de trabalhadores formais do setor”, afirmou.

Para ele, a principal consequência da decisão do ministro do STF será um aumento na incerteza dos empresários.

“Estamos vivendo em um ambiente em que cada hora é decisiva, e não podemos mais esperar para que tenhamos uma solução rápida para essa situação. A quase totalidade dos sindicatos no país não tem condições de avaliar milhões de acordos de forma simultânea e na urgência necessária, o que seria um tiro de misericórdia para o emprego de milhões de brasileiros”, concluiu Solmucci.

Continua após a publicidade
Publicidade