Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Calculou mal

Um dos motivos para o atraso de quase seis meses para a GfK, empresa alemã que competirá com o Ibope na medição de audiência das TVs,  estrear no Brasil (leia mais aqui), foi um certo desconhecimento da realidade do país. A GfK importou os medidores que seriam instalados nos televisores em domicílios Brasil afora levando […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 00h59 - Publicado em 8 jul 2015, 07h21
tv

TVs de tubo estão em 35% dos lares paulistas

Um dos motivos para o atraso de quase seis meses para a GfK, empresa alemã que competirá com o Ibope na medição de audiência das TVs,  estrear no Brasil (leia mais aqui), foi um certo desconhecimento da realidade do país.

A GfK importou os medidores que seriam instalados nos televisores em domicílios Brasil afora levando em conta um percentual superestimado de aparelhos de TV digitais.

Em São Paulo, por exemplo, 35% das residências ainda possuem exclusivamente TVs de tubo – e se no estado mais rico do país é assim, imagine no resto.

Conclusão: teve que atrasar os processo e importar novos aparelhos adaptados às condições sociais do Brasil.

(Atualização, às 16h23. A GfK enviou um e-mail com algumas explicações sobre o ocorrido. Eis o trecho mais relevante: “é natural na construção de um projeto desta dimensão que ajustes nos aparelhos precisem ser feitos”)

Continua após a publicidade
Publicidade