Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Barroso determina instalação da CPI da Pandemia no Senado

Mandado de Segurança foi apresentado pelos senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru

Por Mariana Muniz Atualizado em 9 abr 2021, 10h50 - Publicado em 8 abr 2021, 19h25

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou a abertura pelo Senado da CPI para apurar a conduta de integrantes do governo federal em relação à pandemia. A decisão é uma derrota para o Palácio do Planalto.

A decisão foi dada em um mandado de segurança apresentado pelos senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru para que o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, instale a comissão. O ministro liberou a ação para julgamento colegiado imediatamente no Plenário Virtual do STF — e começa a ser analisada no próximo dia 16.

Na liminar, o ministro destacou que a Constituição estabelece que as CPIs devem ser instaladas sempre que três requisitos forem preenchidos: assinatura de um terço dos integrantes da Casa; indicação de fato determinado a ser apurado; e definição de prazo certo para duração. Não cabendo, portanto, possibilidade de omissão ou análise de conveniência política por parte da Presidência da Casa Legislativa. Conforme o ministro, há diversos precedentes da Suprema Corte neste sentido.

O pedido para a criação da comissão foi protocolado em fevereiro. Nesta quinta-feira, Vieira e Kajuru entraram com uma petição rebatendo argumentos da advocacia-geral do Senado para a não abertura da CPI.

Segundo eles, Pacheco tem agido com “deliberada inércia”, se omitindo “na tomada das providências necessárias à efetiva instalação da CPI”, o que configura “abuso legislativo flagrantemente inconstitucional a desafiar, plenamente, o exercício, pelo Judiciário, da atividade de controle jurisdicional”.

Os senadores ainda rebatem o argumento de que faltariam condições sanitárias adequadas para o funcionamento da Comissão Parlamentar de Inquérito. “Evidentemente, tal como tem sido feito com as sessões plenárias do Senado da República, a CPI pode perfeitamente realizar os trabalhos à distância, sem prejuízo de sua efetividade.

Ao conceder a liminar, Barroso também destacou que compete ao relator decidir sobre liminares em mandado de segurança, mas que, como defende que o tribunal se manifeste – sempre que possível – colegiadamente, preferia levar o tema ao plenário, o que não ocorreu nesta quinta-feira em razão do julgamento sobre a abertura de missas e cultos durante a pandemia.

“Coerente com a minha visão de institucionalidade da Corte, tinha a intenção de submetê-la em mesa ao Plenário, na data de hoje. Infelizmente, a relevância e a extensão do julgamento relativo ao decreto restritivo de cultos religiosos durante a pandemia impediram que o fizesse. Observo, porém, que se trata, como demonstrado adiante, de mera reiteração de jurisprudência antiga e pacífica do Tribunal.”

Leia também:

  • O longo caminho do centro para definir alternativa a Lula e Bolsonaro.
  • No pior momento da pandemia, as igrejas evangélicas permanecem lotadas.
  • Covid-19: mortes e internações caem entre vacinados, aponta levantamento exclusivo.
  • Janot está na mira do Supremo, do STJ e do Tribunal de Contas da União.
  • Acusações do passado envolvem ONG administrada por Flávia Arruda.
  • O mal dentro de casa: a rotina de violência que resultou na morte de Henry.
  • Com leilão de aeroportos, governo tem sopro de renovação na área econômica.
Continua após a publicidade
Publicidade